WARC – A grande questão: Precisamos de novas regras para a nova geração de marcas?
24 de Junho de 2022

WARC – A grande questão: Precisamos de novas regras para a nova geração de marcas?

Debate evidenciou as marcas mais ricas, as mais valiosas, e as que estão crescendo mais rápido

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Com a participação de:
Tom Morton, Global Chief Strategy Officer, R/GA
James Hurman, Founding Partner, Previously Unavailable

James, iniciou a sessão citando o seu último livro: Future Demand, Why building your brand among tomorrow’s customers is the key to start-up success, onde ele afirma que novas empresas tem um alto risco de ir a falência. Ele citou o exemplo dos investimentos em novas empresas na Andreesen Horowitz, que recebe por ano mais de 3000 candidaturas, mas no final somente investe em 20 (0,7%). A escolha do investimento deve ser feita com muito cuidado, a possibilidade de crescimento do negócio é um fator chave.

Publicidade

James afirma em seguida que na maior parte das startups, nos primeiros 3 anos o crescimento é grande, mas após 3 anos ele desacelera chegando a um platô.

Isso se deve ao fato de que no mercado existem dois tipos de demanda, a demanda existente e a demanda futura. Na demanda existente são as pessoas que já estão no mercado, e que estão dispostas a comprar, na demanda futura, se trata de pessoas que ainda não estão dispostas a comprar, mas estarão no mercado em breve.

Ele questionou: O que acontece se você não criar a demanda futura? Suas vendas vão estabilizar em um certo nível, a demanda não irá aumentar. Trabalhar a demanda futura permite a um negócio de ter um crescimento consistente, afirmou James. Ele reitera que o seu livro gira em torno de como gerar a demanda futura.

Tom Morton, continuou a sessão dizendo que desde que começou a sua carreira ele viu a evolução das vendas para o mundo digital. Ele citou o livro “How Brands Grow” de Byron Sharp, onde existem os caminhos, como “hábitos de compra são repertórios” e a prescrição para solução do problema.

Ele apresentou as marcas definitivas do nosso tempo (as mais ricas, as mais valiosas, e as que estão crescendo mais rápido). Ele citou a Apple, que em 4 anos cresceu o faturamento em 1,27 vezes, mas o número de consumidores cresceu somente 1,16 vezes, o número de unidades vendidas cresceu em 3,44 vezes, ou seja, Apple fez seus consumidores comprarem mais dos seus produtos, aumentando seu faturamento sem necessariamente aumentar o seu público.

O Instagram por sua vez aumentou o faturamento por usuário em 6,6 vezes e teve um faturamento total 10,8 vezes maior no mesmo período, com um aumento no número de usuários em 1,6 vezes.

 

Tom nos trouxe mais informações sobre as grandes marcas de hoje que começaram como startups nas últimas 2 décadas. Se analisarmos o público alvo delas, podemos ver que o seu nicho mudou completamente e foi ampliado a todo e qualquer indivíduo.

Tom afirmou que traz a proposta de uma solução para o problema que algumas grandes marcas estão tendo para crescer, ele propõe o modelo apresentado no livro “How Brands Grow” e lembra, é somente uma proposta, não existe solução pronta.

E finaliza citando a frase do físico Richard Feynman “eu prefiro ter questões que não podem ser respondidas do que respostas que não podem ser questionadas”.

Ao final, o debate foi aberto ao público via slido.com

 

Publicidade