Aplicativo da UDESC permite que voluntários registem problemas do dia a dia de cidades catarinenses

10 de Outubro de 2018

O aplicativo busca contribuir para a gestão eficiente de cidades, relatando problemas de diversas áreas como transporte, mobilidade, segurança e acessibilidade

O ParticipACT é um aplicativo que foi desenvolvido pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), em parceria com outras duas instituições – Universidade de Bologna (UNIBO), que desde 2012 executa projeto semelhante na Itália, e Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC).  A novidade é um projeto de pesquisa acadêmica, resultado de uma pesquisa do Laboratório de Tecnologias de Gestão (LabGES) do Programa de Pós-Graduação em Administração do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (ESAG), que permite aos cidadãos registrarem problemas relacionados às áreas de transporte e mobilidade, segurança, acessibilidade, meio ambiente e animais, infraestrutura, social e outros, contribuindo para a gestão eficiente de cidades.

O proposta é buscar a gestão eficiente e participativa de cidades inteligentes por meio de uma plataforma de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs). Entre os objetivos do projeto, está a implantação de um big data com dados de organizações públicas e privadas, além dos dados coletados de forma participativa e colaborativa pelos cidadãos, com o suporte de um sistema de mobile crowdsensing (MCS).

Ao utilizar o app, o usuário pode registrar os problemas da cidade, apontando no mapa o local da ocorrência e descrevendo-a em texto, áudio e/ou vídeo. Os registros poderão ser visualizados no mapa no próprio aplicativo e no portal participact.com.br. O cidadão também pode deixar, por determinado tempo, alguns sensores do celular ligados para que o próprio aplicativo colete informações sobre trajeto, tempos de parada e outras informações que formarão um grande banco de dados sobre a cidade, e que será estudado em pesquisas dos hábitos de mobilidade urbana.

“O registro automático é feito individualmente, mas os dados são coletivamente analisados. Com a análise dos dados será possível conhecer os pontos de concentração e as rotas de deslocamento das pessoas nos períodos do dia e da semana, identificando grupos com hábitos de mobilidade semelhantes”, explicou o professor Carlos De Rolt, coordenador do projeto.

O ideia é formar uma comunidade virtual composta por cidadãos preocupados em melhorar a qualidade de vida na cidade, utilizando de forma inteligente o poder das tecnologias inovadoras (internet das coisas, por exemplo). Com o levantamento e cruzamento de dados, gestores públicos, pesquisadores e a população terão um entendimento mais claro dos problemas, e as soluções poderão ser encaminhadas com base em informações consistentes e confiáveis. Diferentemente das demais redes sociais o ParticipACT pertencerá aos seus usuários, pois o seu desenvolvimento contínuo será resultado de uma cooperação entre universidades, empresa e cidadãos.

Nesta primeira fase, a equipe do projeto está trabalhando na divulgação do aplicativo junto à população para conquistar os voluntários que irão abastecer o sistema com os relatos dos problemas urbanos. Outra frente de trabalho dos pesquisadores é o cruzamento de bases de dados da cidade, como consumo de energia elétrica, produção de lixo, tráfego de veículos, acidentes de trânsito, violência urbana, entre outros. Para isso, além de contar com a ação voluntária dos usuários que baixam o aplicativo e fazem os registros, o Laboratório de Gestão da UDESC/ESAG já firmou alguns convênios com empresas de serviços públicos, integrando os bancos de dados das concessionárias ao banco de dados do ParticipACT.

 “O mérito da plataforma está em fechar o ciclo entre cenários virtuais e reais de uma cidade inteligente, facilitando a governança eletrônica e ampliando o senso de pertencimento dos cidadãos, já que os processos envolvem a participação direta de todos, cidadãos, técnicos e políticos”, explicaram os pesquisadores da UDESC. O ParticipACT vem sendo apresentado às diversas entidades da cidade que também estão demonstrando apoio e colaborando com a pesquisa.

O projeto também conta com apoio de entidades como o CDL Florianópolis, a Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (ACIF), e Associação FloripAmanhã, além de empresas  do polo tecnológico de Florianópolis como Neoway e Softplan.

O aplicativo ParticipACT pode ser encontrado no Google Play ou App Store. Saiba mais participact.com.br.