Publicidade
Coletivo 45+ surge com o propósito de movimentar o mercado de comunicação e combater o etarismo
05 de Fevereiro de 2024

Coletivo 45+ surge com o propósito de movimentar o mercado de comunicação e combater o etarismo

As sócias do Coletivo 45+ também destacam o impacto social do sucesso da empreitada

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

As publicitárias Lara Magalhães e Thati Bissoli (ambas na Fbiz) lançam o Coletivo 45+ com o propósito de movimentar o mercado de comunicação colocando a pauta da “economia prateada” nos holofotes, seja através de projetos, campanhas, estudos e debates e consequentemente movimentando também a empregabilidade desse público.

Com ações voltadas para o combate ao etarismo através da inclusão desse público nos pensamentos sobre produtos e serviços, o Coletivo 45+ será formado por um grupo de criadores das mais diversas áreas de atuação que irão desenvolver projetos para a economia prateada.

Publicidade

“A ideia é que as iniciativas possam surgir através de uma demanda específica de algum cliente/marca mas também através do nosso Coletivo de Criadores que também se especializam na economia prateada”, explica Lara Magalhães. “Quando falamos de um grupo de criadores, nos referimos ao sentido mais amplo da palavra. Não significa que vamos restringir nossa atuação à publicidade”, complementa.

Discriminação por idade

O etarismo é uma realidade já reconhecida por 78% das empresas, de acordo com um estudo lançado em 2022 com 191 empresas de 13 setores diferentes pela consultoria Ernst & Young em parceria com a Maturi, agência de treinamento profissional.

“Essas corporações ouvidas se consideram etaristas e admitem não ter políticas para evitar a discriminação por idade em seus processos seletivos. O reconhecimento do problema é o primeiro passo para medidas de combate”, afirma Thati Bissoli.

O apoio de empresas parceiras poderá ser através da criação de projetos inovadores que dêem oportunidade a profissionais experientes e estudos que permitam conhecer melhor o público da economia prateada. “Não podemos esquecer que esse será o principal público consumidor dos próximos anos, então o desafio de ser pioneiro no desenvolvimento de projetos para esse público certamente trará grande retorno. Contamos com empresas que queiram ajudar a promover essa mudança de visão de mercado que certamente poderá gerar novas fontes de receitas”, complementa Thati. É desejável que as empresas parceiras já atendam a requisitos de diversidade e ESG cada vez mais exigidos pelas empresas, investidores e mercado em geral e que se comprometam a garantir que pelo menos 50% dos profissionais que atuarão nos projetos sejam 45+.

Impacto social

Além do trabalho que visa mostrar caminhos para que a maior inclusão de profissionais acima dos 45 anos traga resultados, as sócias do Coletivo 45+ também destacam o impacto social do sucesso da empreitada.

Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), 34% dos idosos (maiores de 65) da América Latina não têm renda. “Isso já é fruto de uma discriminação que começa na faixa etária que estamos tratando, já visando que esse percentual se reduza na medida em que houver maior consciência sobre os efeitos negativos do etarismo na economia de qualquer país”, afirma Lara Magalhães. O envelhecimento da população também impacta no perfil do consumo, o Brasil possui hoje mais 55 milhões de consumidores com mais de 50 anos. “Ou seja, 25% dos brasileiros já estão na Jornada da Maturidade”, complementa.

Thati Bissoli chama a atenção para a excessiva valorização dos jovens desde que o mundo começou a se digitalizar em ritmo mais intenso, com consequente discriminação de profissionais mais seniores. “Esse tabu se reflete não apenas no trabalho, mas nas relações interpessoais, nas questões de saúde, estética e até sexuais”, explica a sócia do Coletivo 45+. Thati explica que os jovens de hoje devem enfrentar os mesmos problemas no futuro se o etarismo não for uma questão trabalhada no presente. Dados da OIT mostram que em 2030, um em cada seis profissionais terá mais de 60 anos; proporção que subirá para um a cada quatro em 2050. “A força de trabalho no Brasil será composta por 57% de profissionais acima dos 45 anos em 2040”, informa.

O tabu do envelhecimento em números (conseguimos produzir uma arte?)
• 78% das empresas se reconhecem como etaristas
• Apenas 5% dos funcionários de agências tem mais de 50 anos
• O Brasil realizou o maior salto de envelhecimento desde 1940 no Censo de 2023
• 34% dos idosos acima de 65 anos não têm renda na AL
• Até 2030, um em cada seis profissionais terá mais de 60 anos
• A força de trabalho no Brasil terá 57% de profissionais acima dos 45 em 2040
• Até 2050, um em cada quatro profissionais terá mais de 60 anos
• O Brasil atingirá seu pico populacional em 2038, depois iniciará redução e maior envelhecimento da população.

Publicidade
Publicidade