Publicidade
Credibilidade do mercado de marketing digital é ameaçada pelos “gurus”
27 de Julho de 2022

Credibilidade do mercado de marketing digital é ameaçada pelos “gurus”

Infestação do mercado com infoprodutos de péssima qualidade

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Todo e qualquer mercado sofre com a atuação de profissionais incompetentes, até desonestos. O setor de marketing digital não é exceção.

Segundo a produtora de conteúdo, especialista em mídias sociais e fundadora da Like Marketing, Rejane Toigo, ele é cada vez mais dominado pelos “gurus” do marketing digital, pessoas que não necessariamente possuem experiência, nem competência na área, mas munidos de ousadia e senso de oportunidade infestam o mercado com infoprodutos (cursos, plataformas, soluções etc.) de péssima qualidade, gerando muitas vezes má fama a todo um segmento.

Publicidade

Para Rejane, a solução para este problema está nas mãos dos profissionais que trabalham em agências. Segundo a produtora de conteúdo, são eles que devem educar o mercado, pois detêm o verdadeiro conhecimento em marketing digital, adquirido a partir de sua atuação no “front”, prestando serviços às empresas. “Para quem atua em agência e possui o real conhecimento da área, criar um produto direcionado ao ensino é uma obrigação, não apenas por que isso gera valor à empresa, mas também porque gera valor ao mercado ao capacitar profissionais”, afirma.

A especialista em mídias sociais acredita que a resistência dos profissionais de agências para adentrarem ao mercado de infoprodutos se deve a terem um forte senso de responsabilidade, que, na maioria das vezes, falta aos “gurus” do marketing digital. Conforme Rejane, estes, de uma forma geral, não têm uma real preocupação com a qualidade final do produto, ou seja, com o aprendizado dos clientes. “O raciocínio desse mercado é produzir e vender em escala e só”, explica. O que não raramente desemboca em produtos ruins, alunos que não conseguem aprender, pedidos de devolução e um boca a boca que gera má reputação.

Infoprodutos de boa qualidade

Mas, de acordo com a fundadora da Like Marketing, é possível sim criar infoprodutos responsáveis e de boa qualidade. Para isso, os profissionais devem zelar pelas etapas que os “gurus” costumam ignorar, a saber: a criação e a validação de um método de ensino. Neste sentido, destaca Rejane, primeiramente é preciso definir que tipo de problema o infoproduto pretende resolver. Depois, deve-se estabelecer quem será impactado pela solução. E por fim, como este problema será resolvido (o método em si).

Por sua vez, segundo a especialista em mídias sociais, a elaboração do método em si é baseada em uma estrutura pedagógica, que se caracteriza pela aplicação do chamado funil do aprendizado. Este é definido por três etapas: atenção e retenção do conteúdo; fixação do conteúdo; e aplicação prática. Conforme Rejane, o respeito por estes três passos assegurará que o produto voltado ao ensino idealizado pela profissional de marketing digital será verdadeiramente assimilado pelo cliente (aluno).

A especialista em mídias sociais explica que é na etapa da atenção e retenção que o cliente tem a percepção do aprendizado. “Nem todos os alunos conseguirão aplicar o método que o profissional desenvolveu, porque não fixarão o conteúdo. Dessa forma, é importante que eles percebam que estão adquirindo conhecimento com o produto logo na largada”, diz. É preponderante para essa percepção, segundo a fundadora da Like Marketing, que o aluno seja apresentado a um mecanismo único, criado e sistematizado pelo profissional responsável pelo produto. “O objetivo deste mecanismo é ser um encurtador de caminhos”, comenta.

Percepção do empoderamento

Na parte da fixação, que nem todos os alunos chegam, ocorre a percepção de empoderamento. Nela, segundo Rejane, o aluno detecta que está aprendendo algo com o infoproduto e sente-se encorajado a aplicar este conhecimento. “Para que haja a percepção de empoderamento, o produto precisa ter um roteiro de módulos e aulas, sequência lógica e atividades. Sem isso, o aluno acreditará que o processo não tem didática”, afirma.

Já a parte da aplicação prática é onde o aluno tem a percepção de resultados. “Para isso é essencial que seja oferecido a ele ferramentas de aplicação, únicas e as quais, preferencialmente, ele seja capaz de usar mesmo quando acabado o curso”, diz a especialista em mídias sociais.

Rejane pondera que há mais infoprodutos ruins do que bons no mercado. Segundo a fundadora da Like Marketing, boa parte da responsabilidade por este cenário é dos profissionais de agências que não batem de frente com os “gurus”, para criarem produtos de qualidade e ensinarem de fato as pessoas. Assim, a produtora de conteúdo exorta os profissionais à ação. “A partir de qualquer conhecimento que se tenha da área, mesmo que não seja amplo, é possível criar um produto voltado ao ensino”, destaca. E ao se comprometer com o método de ensino e sua validação, o curso/ plataforma/ solução oferecido pelo profissional certamente trará resultados ao cliente”, conclui.

Foto:Pexels

Publicidade
Publicidade

pg slot judi baccarat idn togel idn play judi bola tangkasnet slot pragmatic slot88 sbobet88 slot dana judi online joker123 ligasedayu vegasslot77 autowin88 sbobet star77 bo 138 zeus138 mega138 nuke gaming slot cuan138