Publicidade
Como desenvolver uma estratégia de branding de sucesso
05 de Maio de 2022

Como desenvolver uma estratégia de branding de sucesso

O processo de execução e implementação de inovação a partir de uma estratégia de branding é desafiador

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Quando o branding deixa de ser só promessa? | Se sua empresa tem um site ou um redes sociais ativas, possivelmente estarão lá imagens, textos e de repente até vídeos lindos…


por Felipe Gondin*

Publicidade

Estratégia de branding, no final das contas, é exatamente aquilo que o nome diz: estratégia. Para ter uma boa estratégia de branding, é preciso conduzir a experiência do cliente e tudo que forma a percepção da marca. É preciso definir e elencar as principais interações com o cliente. É necessário também prever e utilizar recursos com um foco em um objetivo claro e bem delimitado.

E, claro, para uma boa estratégia de branding é preciso aquilo que muitas empresas esquecem: agir! Sem fazer com que essa experiência nasça e se desenvolva, no melhor dos casos, você terá uma marca genérica e sem graça e apelo junto a seu público.

Mas como fazer com que a sua estratégia de branding atinja o sucesso? Como ir além das palavras e mostrar a estratégia com ações certeiras?


Quando o branding deixa de ser só promessa?

Se sua empresa tem um site ou um redes sociais ativas, possivelmente estarão lá imagens, textos e de repente até vídeos lindos exibindo seu produto ou serviço. Já parou para pensar que, enquanto sua estratégia de branding não entregar essa promessa de seu site, não há valor de marca? Pois é. Confira cinco pontos-chave que podem te ajudar.


1. Mapa de Jornada da Marca

De onde sua marca veio? Para onde ela vai? Seu marketing está prestando atenção em cada passo? Um dos maiores obstáculos em uma estratégia de branding ocorre no momento de reunir todos os recursos, planos e inputs de cada área para criar uma experiência coesa (e inesquecível!) para o cliente, interno ou externo.

Às vezes, a estratégia de branding acaba sendo subutilizada e não entrega aquilo que deveria. Para resolver esse tipo de problema, é importante mapear os pontos de contato da sua marca. Ao saber todas as ações e iniciativas internas e externas da marca, pode-se começar a fazer a estratégia valer mesmo. Os gestores da sua empresa, assim, terão mais autonomia para executar, priorizar e alocar recursos.

É substituir a clássica posição “eu acho que devemos seguir esse caminho”, por “eu sei o que devemos fazer!”

2. Prioridade para a Linha de Frente
Por mais pública que seja a figura do gestor, gerente ou CEO, o cliente comum tem uma percepção muito mais próxima da tradução do que é a sua marca: o atendente. O caixa. O entregador. O vendedor.

Quem está na linha de frente, trabalhando na ponta de lança de sua operação. O branding é criado também pela forma com que eles comunicarão sua marca e transmitirão seus valores a seu público. Seria contraproducente não investir justamente na cara dos serviços de sua empresa, você não concorda?

Seus colaboradores de linha de frente são vitais para uma estratégia de branding de sucesso. Ao trabalhar com seu time e garantir que todos entendam a relevância da marca, sua estratégia de branding brilha!

3. Inovação para a experiência do cliente
Ok, falar em inovação como um ponto-chave faz parecer algo simples. Obviamente, não é. O processo de execução e implementação de inovação a partir de uma estratégia de branding é desafiador. E, ao mesmo tempo, é um ponto crítico.

Tudo precisa estar alinhado para alcançar a inovação real. Sua estratégia de branding precisa estar associada com as inovações necessárias. Essas inovações para a experiência do cliente, por sua vez, devem estar alinhadas com o que as pessoas querem de verdade, que por sua vez deve estar alinhado com a percepção interna da empresa.

Além de um mapeamento da marca, como já discutido, é preciso monitorar esses pontos. A jornada do cliente tem múltiplos pontos que batem com o planejamento de sua operação. Por isso, é preciso saber responder rápido e na linguagem certa. O cliente precisa que a marca ofereça uma experiência crescente, que acelere cada interação entre a pessoa e a empresa.

4. Narrativa Corporativa
Marcas fortes não se contentam só em se diferenciar no mercado. A estratégia de branding de sucesso, quando se está no topo, é direcionar a indústria e sua evolução de forma a se alinhar com a visão estratégica e os planos de crescimento da empresa.

Pense, por exemplo, em qual é o motivo para que o design de seu smartphone dispense os botões na frente. Isso é justamente resultado da narrativa corporativa de design da Apple. Quando o objetivo da empresa triunfa, a empresa inspira um futuro com valor e perspectivas únicas.

5. Métricas
Se pode ser medido, pode ser gerenciado. Se não pode ser medido, é como se não existisse em sua estratégia! A ação de sua estratégia de gestão de marca ganha todo o suporte que precisa quando está munida de métricas e dados precisos.

O branding em si não possui nenhuma meta própria, mas ele reverbera por todos os departamentos da empresa. Fique atento aos números e impactos do branding pelas demais áreas.

Considerações finais
Ação é o que tira a estratégia do papel. Falar, como já disse um poeta, até papagaio fala. O que você precisa para ter sucesso com sua estratégia de branding? Independentemente do que for, o caminho precisa ser bem planejado, bem definido e transparente. Caso contrário, não é nem uma ação de estratégia, é só “levar sua empresa com a barriga”!



*Felipe Gondin
é CEO da CAPME, apaixonado por posicionamento de marcas, inovação e modelos de negócios. Formado pela Harvard Business School em Estratégias Disruptivas e pela UC Berkeley em Modelos de Negócios Corporativos e Organizações Inovadoras.
Fundou a CAPME em 2012 e, desde então, já contribuiu com mais de 100 projetos de branding, comunicação e inovação, transformando times e construindo histórias inspiradoras.

Publicidade
Publicidade