Publicidade
Como a voz afeta sua carreira. Conheça a opinião do especialista Ricardo Silva.
28 de Fevereiro de 2023

Como a voz afeta sua carreira. Conheça a opinião do especialista Ricardo Silva.

Publicidade
Por Prof Jonny 28 de Fevereiro de 2023 | Atualizado 28 de Fevereiro de 2023

Ricardo Silva Voz é palestrante, consultor e já foi mentor de comunicação ativa para grandes líderes e personalidades. Ele preparou milhares de profissionais e empresários a desenvolverem uma linguagem invisível que inspira, convence e influencia. Com mais de 20 anos de experiência na área da comunicação como radialista e locutor publicitário, e mais de 40 mil comerciais, Ricardo é produtor de áudio, professor de comunicação falada e oratória. Tem formação acadêmica em rádio, comunicação e arte, e interpretação. Nesta entrevista, ele fala sobre sua carreira, e como a comunicação assertiva é fundamental para se ter êxito na vida profissional.

 

Publicidade

Agradeço muito por sua disposição em contribuir com nossa coluna sobre carreira. Sabemos que em muito nossas trajetórias são influenciadas diretamente pelas decisões. Quais decisões você considera que foram mais estratégicas no início de sua carreira?

Me sinto lisonjeado pelo convite em compartilhar alguns insights e momentos da minha trajetória. Principalmente no início e, curiosamente indo na contramão do que as pessoas muitas vezes pensam e fazem, eu decidi aprender e treinar mais do que executar. Chega uma fase da vida que você precisará mais da experiência aprendida e vivida, e não terá tempo para aprender. Este tempo será limitado a uma boa execução. Isso me fez crescer rápido por onde passei. Cada vez mais as empresas querem seniors. É comum em entrevistas de cargos importantes, os candidatos dizerem: “Estou para aprender.” Não! Você está aqui para fazer!

Ps:. O espírito e a necessidade de aprender estarão sempre presentes.

Bônus: Duas palavras permeiam o início e posso dizer com segurança que precisei delas para continuar. As palavras são: Paciência e Ambição.

 

Em seu perfil nas redes sociais, você menciona ter sido mentor de comunicação de grandes líderes e personalidades. Quais destes você poderia citar, mencionando como sua mentoria gerou impacto nas carreiras destes?
Interessante é que durante muito tempo, eu evitei famosos e grandes personalidades…
Na verdade, ainda continua assim, mas o que entendi é que a minha missão está em contribuir na melhora e assertividade da comunicação das pessoas sem pontuar se essa pessoa é famosa. Nesse foco de olhar para o ser, coincidiu de alguns serem grandes personalidades como: Cleo Pires, Negra Li, Pyong Lee, José Vicente (Forbes), Karina Bacchi, Pocah, Fernando Scherer (o ex-nadador Xuxa), investidores (Shark Tank Brasil), JP (Founder Hotmart), Geraldo Rufino, Shay (fazenda), Tina Calamba (BBB).
Executivos de empresas como: Facebook, Spotify, LinkedIn, Instagram, Mercedes e Globo.
Ps:. Vários políticos, atletas, artistas, empresários e personalidades que, infelizmente, não posso mencionar.
Todos nessa lista são comunicadores conhecidos e muito bons por sinal.
O meu papel é mostrar como evitar certos conflitos e aumentar a percepção de valor deles na mente das pessoas certas, trazendo uma comunicação muito mais estratégica, assertiva e humanizada, trabalhando a retórica, oratória, persuasão e mentalidade.

 

Em que momento da sua história você percebeu que seu caminho seria voltado a empreender? Como foi este processo? Você teve uma mudança radical de emprego mais tradicional para abrir um empreendimento ou foi algo mais gradativo?

Tive vários trabalhos, mas o que ficou mesmo foi como radialista, locutor publicitário, dublador e operador de áudio por 17 anos.
Empreender mesmo e entender de fato o que era empreender foi em 2009 quando abri o meu primeiro CNPJ, uma produtora de áudio (FeelingStudio). Agora, sem saber o que era isso, foi em 1997. Eu colava cartazes de festas por toda cidade, isso em Sertãozinho, interior de SP. Eu pegava o trabalho e reunia vários garotos da rua e da escola e perguntava: “Quer trabalhar pra mim e ganhar um bom dinheiro?”
Em 2001, criei a RS eventos e comecei a produzir meus eventos. Hoje, tenho o Influence Institute, um centro educacional de comunicação assertiva e ativa para adultos, Líderes, Empreendedores e Personalidades, com cursos, eventos e mentorias em 5 áreas: Networking, Apresentações, Vendas/Negociações, Desenvolvimento Humano e Relacionamentos interpessoais.

 

Quais foram suas principais referências ou modelos neste processo inicial? Estas referências podem ser pessoas próximas ou os principais autores com os quais teve contato.

Algo que sempre aconteceu, e ainda acontece, é não fixar uma ou outra referência ou inspiração. De verdade, são muitas pessoas e modestos exemplos. Mas para não ficar tão vago, vou citar pontos chaves: Jesus Cristo, Ayrton Senna, John D. Rockfeller, Carl Gustav Jung, Barack Obama, Alfred Adler.
Ps:. Para tudo eu pergunto: “O que Jesus faria?”

 

Muitos do que lhe conhecem, e entre estes me incluo, ficam impressionados com a qualidade de sua voz. Até que ponto você diria que este foi um dom natural ou fruto de treinamento ao longo de anos?

A minha Voz é, digamos, ponto de atenção.
O detalhe é que a minha voz tornou-se natural.
Na minha juventude, como dizem… voz de taquara rachada, fina, má dicção, som anasalado e sem presença. Treinei todos os dias, todos os dias mesmo, durante 10 anos. Continuo com o treino, sem toda aquela intensidade.
Hoje, entendo que a eloquência vem primeiro que a voz.

 

Como você descreveria em breves palavras o método de comunicação assertiva que você desenvolveu?

O método PPE (Percepção, Pertencimento e Empoderamento) é a junção da psicologia, neurociência e do marketing para relacionar-se com qualquer pessoa e conseguir vender qualquer ideia.

 

Quais são os ganhos potenciais de uma boa comunicação na entrevista de emprego? E na vida profissional em geral?

Os ganhos são: Autonomia, credibilidade, autoridade, poder, melhores ofertas e oportunidades, relacionamentos saudáveis…
Tenho uma visão e até uma crença que para ter uma boa comunicação profissional é necessário ser ótimo em comunicação interpessoal.

 

O que você deixaria como principais dicas para aqueles que encontram desafios no campo da comunicação falada?

Algo para bugar sua mente: Fale mais, ouça menos e escute o suficiente!
A comunicação como um todo é a arte de se importar genuinamente com as pessoas.
As pessoas não têm medo de falar em público, e sim, medo da rejeição. Portanto, estude, treine e aplique o que acredita ser sua missão e porte-se como tal através da forma como você irá se comunicar. Duas frases para refletir:
01- “O seu Porque (missão, propósito) tem que transcender seu ego e seus medos.”
02- “Nunca se prepare quando você precisa estar pronto.”

 

Lições de carreira

Entre suas palestras e viagens, Ricardo mostrou-se muito aberto para compartilhar conhecimento sobre comunicação assertiva. Sua trajetória mostra como aperfeiçoar um talento natural, no seu caso a voz, para criar um diferencial no mundo corporativo. Também é interessante entender como ele conseguiu vislumbrar as oportunidades para empreender ampliando sua atuação de técnicas de oratória para comunicação assertiva agregando conhecimentos muito além de sua formação inicial. Desejo que este exemplo traga benefícios para sua carreira. Invista na sua voz!
Nos vemos no próximo artigo.

Abraço Jonny

Publicidade
Publicidade