Publicidade
Coluna Ozinil Martins | O Pica-Pau-Bico-de-Marfim foi declarado extinto. E daí?
05 de Outubro de 2021

Coluna Ozinil Martins | O Pica-Pau-Bico-de-Marfim foi declarado extinto. E daí?

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook
Por Prof. Ozinil Martins de Souza 05 de Outubro de 2021 | Atualizado 05 de Outubro de 2021

Semana passada o Pica-Pau-Bico-de-Marfim foi declarado, após extensivas buscas, extinto da natureza pelo Serviço de Peixes e Vida Selvagem dos Estados Unidos. Este pássaro ficará eternizado nas telas do cinema e nas cabeças daqueles que se divertiram com suas irreverências desde que foi criado em 1940; seus criadores, Walters Lantz e o desenhista “storyboard” Bem Hardaway, deixaram um legado inestimável à humanidade. Junto com o famoso Pica-Pau outras espécies de animais e plantas foram oficialmente declaradas extintas. Diria o escritor Erich Maria Demarche “Nada de Novo no Front”, título do livro que escreveu em 1929 sobre os horrores da Primeira Guerra Mundial. A humanidade parece não se sensibilizar com o desaparecimento de espécies animais, que dirá as espécies vegetais. Segundo a ONU, 150 espécies são extintas diariamente! Algumas sequer foram catalogadas pelos órgãos responsáveis. A Dra Elizabeth Kolberg em seu livro “A Sexta Extinção” nos alerta sobre a extinção em massa que estamos vivenciando, mas como a humanidade tem como prioridade primeira a sua sobrevivência e, para isto é essencial a alimentação e energia, a destruição do meio-ambiente é sentida, apenas, pelas pessoas mais conscientes e que enxergam os problemas vindouros.

Entre as ações que provocam a extinção das espécies está a destruição dos habitats silvestres. O avanço da agricultura e áreas habitadas provoca a expulsão dos animais de seu ambiente natural. Quanto mais aumentar a população mundial maior será o problema. Solo degradado, excesso de exploração de recursos naturais, plásticos e acidificação provocada pelo lixo depositado nos oceanos causam danos irreparáveis e não imediatos; Outro fator apontado pelos cientistas é a Introdução de Espécies Invasoras; sem seu predador natural estas espécies avançam sobre as locais destruindo o equilíbrio dos ecossistemas. Só como exemplo no Brasil pode-se citar entre as espécies exóticas invasoras, o javali, o coral-sol, o mexilhão-dourado e o caracol-gigante-africano; A ONU alerta que uma em cada três espécies existentes na Europa estão ameaçadas de extinção pelas invasoras; A caça e a pesca clandestina que alimenta o mercado negro é responsável pela destruição paulatina dos ecossistemas. São mais de 30 mil elefantes, 100 tigres e 1.000 rinocerontes mortos por ano para atender necessidades de mercados exóticos (medicina e decoração). Fonte: World Wildlife Report.

Publicidade

Não bastasse tudo que foi escrito até aqui, as Mudanças Climáticas que atingem o planeta produzirão resultados catastróficos em relação à extinção das espécies. Os sinais já são perceptíveis em todo o planeta. Enchentes e secas se alternam com periodicidade cada vez mais frequente, erupções vulcânicas e terremotos cada vez mais comuns, degelo em processo de aceleração em áreas até então intocadas e o mais recente fenômeno anunciado pelos cientistas: a fenda que surgiu na África, mais especificamente, no Quênia, provocada pelo excesso de chuva estende-se por quilômetros e, acreditam os cientistas, deve acontecer o mesmo que fez surgir o continente americano e, criar o sexto continente composto por países que compõem o que se convencionou chamar de Chifre da África. 

Somos quase 8 bilhões de habitantes com necessidades de alimentação e moradia, trabalho e uso de recursos que possibilitam a sobrevivência da maioria. Será que, com a educação que é oferecida ao redor do mundo será possível conscientizar a todos sobre a importância do meio-ambiente? Será que gente que hoje joga o lixo na rua, não separa o reciclável do orgânico, queima o lixo em terrenos baldios, abandona animais de maneira descarada em locais desertos, têm condições de serem conscientizadas em relação ao ambiente em que vivemos e somos dependentes?

Profeta da catástrofe? Não! Observador do cotidiano e leitor atento ao que acontece no mundo!

Publicidade
Publicidade