Publicidade
Coluna Ozinil Martins | A mudança não pede licença, ela acontece!
11 de Janeiro de 2023

Coluna Ozinil Martins | A mudança não pede licença, ela acontece!

Como ajudar o país a ter uma educação de qualidade?

Publicidade
Por Prof. Ozinil Martins de Souza 11 de Janeiro de 2023 | Atualizado 11 de Janeiro de 2023

A mudança é uma das poucas certezas que existem na vida. Elas, independente de nossa concordância ou não, acontecerão.

Se fizermos uma analogia com as ondas produzidas pelo movimento do mar, podemos dizer que os componentes que compõem a mudança são: direção, velocidade e impacto. O que mais nos assusta é a velocidade, cada vez mais crescente, com que as mudanças estão acontecendo. O que ontem era o normal, hoje é ultrapassado; mal se aprende alguma coisa e, em seguida, ela fica obsoleta.

Publicidade

Recentemente recebi um vídeo em que Elon Musk faz uma observação interessante sobre o papel das faculdades. Diz ele: no modelo atual, as faculdades perdem seu objetivo; todo o conhecimento do mundo está disponível a quem quiser aprender, não há necessidade de faculdade para isto. Diz ainda que, as faculdades existem para provar a existência de resiliência entre os estudantes; realizar trabalhos enfadonhos e disponibilizar-se para assistir aulas exige um alto grau de perseverança e isto, aliado ao papel social de integrar os jovens ao convívio social, é o que traz utilidade às faculdades. Opinião respeitável e que propõe uma discussão efetiva sobre o papel das faculdades.

Em linha com as declarações de Musk o movimento de mudança nas Universidades já começa a acontecer. A Minerva School tem uma proposta totalmente diferente das atuais. Seus estudantes são escolhidos em diversos países do mundo, o campus é itinerante e suas aulas são on line com professores de ponta nas disciplinas ministradas. As aulas começam no campus de São Francisco (EUA), Seul (Coréia do Sul), Hyderabad (Índia), Berlim (Alemanha), Buenos Aires (Argentina), Londres (Reino Unido) eTaipei (Taiwan). As turmas têm, no máximo, 20 alunos.

Nos Estados Unidos já existem Universidades sem a existência de campus e na Itália já existem estudos para transformar as Universidades em ponto de encontro de estudantes para tirar dúvidas sobre temas não entendidos e propiciar um ambiente de sociabilidade aos estudantes. Parece que rever a estrutura dos cursos, o que é ensinado, a forma como se ensina, a aplicabilidade do conhecimento e os impactos que a Inteligência Artificial trará ao mercado das profissões é fundamental para recuperar o interesse dos estudantes em estudar. Como está continuaremos a formar analfabetos funcionais com diploma de curso superior e, sem aplicabilidade!

Para apimentar esta análise, esta semana, foi dado ao público conhecer a proposta do Dep. Fed. Tiago Mitraud (Novo – MG) que propõe acabar com a exigência de diploma para 106 profissões, entre elas profissões técnicas. O mérito do projeto é propor a discussão sobre a estrutura da Educação superior brasileira. Como esta não é possível continuar.

Outros projetos de lei tramitando no congresso propõem o fim do exame da OAB para os estudantes que se formarem em Direito. Esta é uma discussão pertinente, pois ou se instala o exame para todos os estudantes de todos os cursos ou se acaba com o exame da OAB. Parece ser um ato seletivo contra apenas uma categoria estudantil.

Enfim, boas pautas para serem discutidas pelo congresso nacional e que poderiam ajudar o país a ter uma educação de qualidade.

Foto:Pixabay

Publicidade
WhatsApp
Junte-se a nós no WhatsApp para ficar por dentro das últimas novidades! Entre no grupo

Ao entrar neste grupo do WhatsApp, você concorda com os termos e política de privacidade aplicáveis.

    Newsletter


    Publicidade