Coluna Guilherme da Luz | Web Summit continua sendo palco para startups se apresentarem pro mundo
03 de Novembro de 2021

Coluna Guilherme da Luz | Web Summit continua sendo palco para startups se apresentarem pro mundo

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook
Por Guilherme da Luz 03 de Novembro de 2021 | Atualizado 03 de Novembro de 2021

Com mais de 40 mil pessoas rondando a Altice Arena, no Parque das Nações em Lisboa, incluindo investidores, imprensa, palestrantes e público em geral, os líderes de startups têm um palco perfeito para mostrar ao mundo suas ideias. 

Um dos primeiros “eventos” do Web Summit, que volta a ser presencial após uma edição online em 2020, é a apresentação das startups para o público em pleno palco principal. Em poucos minutos algumas das empresas selecionadas tem que basicamente apresentar seu pitch, algo similar ao que acontece no programa Shark Tank.

Publicidade

Mas independente de você ter esse espaço ou não, é no olho no olho que os negócios são feitos no evento. Tudo no Web Summit é feito para ter esse encontro entre produto e cliente, entre ideia e investidor. A lista de startups presentes no evento é de impressionar a quantidade de países de origem e indústrias focadas. Entre elas:

  • Gaming e Realidade Virtual
  • E-Commerce e Varejo
  • Ciência de Dados e Analytics
  • Filantropia e Bem-Estar Social
  • Inteligência Artificial e Machine Learning
  • Viagens e Hospitalidade

E muitas, muitas outras áreas. Os assuntos abordados também abrem para essa diversidade, indo desde “discussões difíceis” sobre tecnologia, o futuro, a economia pós-pandemia, sustentabilidade e muitos outros.

Por isso os convidados também têm que representar esse grande leque de temas. O Tek.Sapo fez uma lista com os “10 oradores a não perder” e essa lista dá uma ideia dessa variedade, com o mestre de xadrez Garry Kasparov, Carlos Garcia-Galan, especialista da NASA, o pioneiro da música eletrônica Jean-Michel Jarre e Daniela Braga, fundadora da Defined.ai (Marketplace de Inteligência Artificial) entre os nomes escolhidos. Ou seja, o cardápio é variado para quem ama ouvir, discutir e pensar sobre tecnologia, sociedade e economia.

Falando especificamente do Brasil, são 80 startups listadas dos mais diversos setores, além de quatro palestrantes: Gabriel Braga, Co-Founder e CEO do QuintoAndar, Gilberto Silva, campeão da Copa do Mundo de 2002 pelo Brasil, Christian Rôças, CEO do Porta dos Fundos e Marco Fishben, Founder e CEO do Descomplica.

Programa para startups do Web Summit já tem inscrições abertas (para 2022)

São muitos os objetivos do Web Summit, mas um dos principais é apresentar as novas soluções sendo criadas ao redor do mundo. Por isso o programa de Startups do evento, chamado ALPHA, sempre tem seu espaço garantido.

A ideia é “apresentar as startups que estão causando uma disrupção nas suas indústrias e apresentá-las para os principais investidores, empresas e organizações de mídia do mundo”.

Como o evento já está acontecendo em 2021, só resta para uma startup tentar garantir sua vaga para 2022. 

O processo conta com quatro etapas. Na primeira a startup conversará com o time de especialistas do evento para discutir a companhia, as metas e objetivos para o Web Summit. Esse time irá fazer um processo seletivo para selecionar as ideias mais empolgantes e com maior potencial. No terceiro passo um gestor designado irá guiar a startup para aproveitar ao máximo a sua jornada e por fim, já no evento, essa startup irá participar do PITCH (uma batalha de startups) e terá sessões de mentoria e conselhos.

Caso sua solução seja empolgante e possa dar frutos, o palco do Web Summit em 2022 pode estar aberto para a apresentação da ideia para o mundo.

Publicidade
Publicidade