Região da altitude de Santa Catarina completa 20 anos na produção de vinhos de alta qualidade

16 de Novembro de 2019

Os vinhos de altitude, dentro da cadeia do  turismo, fortaleceram um novo ciclo de desenvolvimento

 

A região da altitude de Santa Catarina comemora 20 anos do primeiro plantio de uva com o objetivo de produzir vinhos de alta qualidade. A primeira preparação de solo com fins comerciais foi realizada em 1999 na pioneira vinícola Quinta da Neve, de São Joaquim. Hoje a região que está em processo de Indicação Geográfica dos seus vinhos engloba 33 municípios diferentes e reúne 40 vinícolas, que estão na fase de vinhedos com um amplo receptivo para visitantes. São Joaquim concentra o maior número de vinícolas, já superior a 20 projetos. Nesse período, praticamente todas as vinícolas da região receberam prêmios  nacionais e até internacionais pela qualidade dos seus vinhos.

Um dos sócios da Quinta da Neve, o empresário Acari Amorim ressalta que alcançar os 20 anos da vinícola não é uma data importante só para a vinícola, mas também para toda a região produtora. “Os vinhos de altitude, dentro da cadeia do  turismo, fortaleceram um novo ciclo de desenvolvimento, não apenas para São Joaquim mas para diferentes municípios da altitude catarinense. Importante que esse novo ciclo do turismo  é duradouro e sustentável para o desenvolvimento econômico e social, com a geração de mais empregos e renda, que envolve toda a região serrana ainda muito carente de investimentos”. 

 

 

Em 2008, o valor do PIB de São Joaquim, tudo que era produzido na cidade, perdia para Correia Pinto e Otacílio Costa, além de Lages.  São Joaquim ficava na quarta posição entre os municípios serranos. Hoje, pela força do turismo como um todo, onde o vinho está tendo um papel muito importante por atrair turistas o ano inteiro, São Joaquim só perde para Lages.

Trajetória da Quinta da Neve
A Quinta da Neve comprou a propriedade e começou a preparar o solo na Lomba Seca, antiga Fazenda Bentinho, em São Joaquim.  Com vinhedo próprio e a vinificação na propriedade, no momento a vinícola conta com um portfolio de 9 vinhos diferentes: Chardonnay, Sauvignon Blanc, Rosé, Espumante Rosé, Pinot Noir, Montepulciano,  Cabernet Sauvignon, Cabernet Sauvignon / Touriga Nacional e Merlot, Cabernet Sauvignon / Sangiovese e Merlot.

 

Pinot Noir
O vinho mais emblemático e reconhecido da Quinta da Neve é o Pinot Noir. Em eventos para marcar os 20 anos da vinícola, estão sendo abertas garrafas da primeira safra de 2005. A surpresa é que esse vinho ainda tem muita cor, aroma e sabor ao completar 15 anos, o que é uma raridade até na  Borgonha, a região francesa referência no mundo deste vinho. 

Jorge Lucky, um dos críticos de vinhos mais respeitados do Brasil, fez uma degustação as cegas (sem aparecer rótulos) dos 28 melhores Pinot Noir da mundo e incluiu apenas o Quinta da Neve do país. O vinho da altitude catarinense ficou entre os primeiros com 83 pontos, na frente de famosos da França, Nova Zelândia, Chile e da Argentina. 

Acari Amorim ressalta que a uva Pinot Noir é a mais difícil de produzir e fazer vinhos, pois os bagos tem uma pele muito fina, são grudados um no outro e ficam muito vulneráveis ao sol, chuva, frio. “Quem produz uma boa uva Pinot Noir e faz bem esse vinho tem um grande diferencial no mundo inteiro”, completa empolgado o produtor Acari Amorim. 
    
        

    

 

Homem de cavanhaque numa adega olhadno garrafas de vinho