Publicidade
Agronegócio catarinense é beneficiado com implementação do 5G no Brasil
04 de Novembro de 2021

Agronegócio catarinense é beneficiado com implementação do 5G no Brasil

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Nesta quinta-feira (4) está previsto para acontecer o leilão das faixas de frequência 5G no Brasil, o maior de radiofrequência da história do país segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). No leilão serão ofertadas quatro faixas: 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz, que funcionarão como rodovias no ar para transmissão de TV, rádio e internet.

De acordo com o portal Brasil 61, a expectativa do governo é que o leilão do 5G movimente R$ 49,7 bilhões. Destes, as empresas vencedoras devem desembolsar R$ 39,1 bilhões em investimentos no setor. O governo, por sua vez, deve arrecadar R$ 10,6 bilhões graças às licenças que as companhias pagam para explorar a tecnologia.

Publicidade

O agronegócio será um dos setores mais beneficiados com o 5G, alavancando a economia de Santa Catarina. Atualmente, o estado tem 31% do PIB representado pelo agro, que sustenta 70% das exportações catarinenses. O desenvolvimento das cidades do País também será beneficiado com a nova tecnologia.

“Hoje, temos uma pequena parcela do agro sendo atendida, e entendemos que esse leilão tem outra característica. Empresas estarão atendendo as grandes e médias cidades do Brasil e, ao mesmo tempo, trata-se de um leilão para aquelas empresas locais, que poderão trabalhar nas cidades de menor porte, de até 30 mil habitantes, na zona rural”, explica o relator no Grupo de Trabalho destinado a acompanhar a implementação da tecnologia, deputado federal Vitor Lippi (PSDB-SP).

Nesse sentido, o setor produtivo como um todo poderá ter impactos significativos, segundo avalia o presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Igor Nogueira Calvet. “Terá um impacto, creio eu, até muito maior para as empresas. Porque o 5G é uma tecnologia que vai permitir a comunicação não somente entre as pessoas, mas sobretudo, entre máquinas. É máquina conversando com máquina, é máquina conversando com a infraestrutura”, disse.
 

Publicidade
Publicidade