Publicidade
MaxiMÃÂdia 2011 encerra com palestra de Henrique de Castro sobre ‘revolução digital’
07 de Outubro de 2011

MaxiMÃÂdia 2011 encerra com palestra de Henrique de Castro sobre ‘revolução digital’

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

 

A última palestra do MaxiMídia 2011 ministrada por Henrique de Castro, vice-presidente do Google para móvel, mídia e plataformas, trouxe o tema ‘A revolução dos vídeos online e o final feliz desse filme’. Ele falou sobre a evolução dos vídeos no YouTube e na internet, de forma geral, e da desagregação do conteúdo, considerado por Castro semelhante ao modelo estabelecido pela Apple, com o iTunes, que permite montar as bibliotecas. A palestra foi moderada por Pyr Marcondes, diretor da Plataforma ProXXIma.
 
A personalização também foi abordada pelo executivo do Google. “O usuário não distingue mais o que é conteúdo de TV aberta, vídeo on demand ou TV paga. No YouTube já estamos agregando cada vez mais o conteúdo de forma personalizada. Pode ser a novela da TV aberta, uma produção de Hollywood ou o filme doméstico do cachorro da vizinha”, comenta dando risada.
 
Castro enumerou cinco criações que modificaram o mundo: O cavalo se transformou no carro; A estrela do rádio foi para a televisão; A máquina de escrever virou um computador; O telefone ficou móvel; A mídia se tornou digital. “A mídia que digo não é o computador, pois o digital é muito mais que isso. Com a chegada do digital, a distribuição do conteúdo virou ilimitada”, define.
 
O digital permite uma melhor segmentação, nomeada por Castro de ‘mass targeting’. “A questão da segmentação digital vai gerar mais acerto e lucro para as empresas. A criatividade vai continuar relevante, não tem como, mas existe esta oportunidade enorme de tornar o anuncio ainda mais inteligente”. Castro cita um exemplo: Se o seu time de coração ganha um jogo de futebol, a Coca-Cola poderia mandar uma mensagem personalizada parabenizando. “Com certeza esse tipo de ação tem um retorno positivo”, explica.
 
SmarTVs
 
Castro também abordou a importância que a SmarTV terá na publicidade, principalmente pela capacidade de segmentar o conteúdo. “Por exemplo, os jovens estão perdendo o interesse pela TV, sendo que quando colocamos vídeos online essa audiência aumenta. Já fizemos teste para companhias de grande consumo e vimos os resultados”. Henrique também revela que para uma pessoa memorizar uma mensagem transmitida na TV é preciso assistir sete vezes. Já no ambiente online é preciso assistir somente duas vezes para lembrar a mesma mensagem. “O que estamos fazendo hoje no computador, será a realidade amanhã na televisão. Não vamos falar mais de digital, pois tudo será digital”, encerra.
 
 
Com informações da proXXima

Publicidade
Publicidade
Publicidade