Publicidade
Você concorda que aumentar o engajamento é simples como mostrado em Emily em Paris?
23 de Novembro de 2020

Você concorda que aumentar o engajamento é simples como mostrado em Emily em Paris?

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

 

Bárbara Bruna e Júlia Doorman destacam nesta matéria que a profissão de influenciador digital está em ascensão mundialmente. No Brasil, por exemplo, uma pesquisa feita pela SamyRoad, agência global de influencers, mapeou que no final de 2019 que o país tinha aproximadamente 920 mil influenciadores digitais. A pesquisa considerou perfis pessoais com mais de cinco mil seguidores. Para a especialista em tráfego online, Bárbara Bruna, estamos vivendo um momento importantíssimo para o investimento em marketing digital. Esse é um dos ensinamentos que ela passa para os participantes do projeto Empreenda Sem Limites, iniciativa dela e de outras 10 empreendedoras com grande atuação nas redes sociais para orientar àqueles que querem conquistar espaço na internet. 

É normal que empresas e grandes produtoras de filmes utilizem o cenário global para a criação de seus enredos e personagens. E saindo dessa circunstância nascem personagens como a Emily Cooper, interpretada por Lily Collins, protagonista da série Emily em Paris, do serviço de streaming Netflix.  

Emily é uma jovem profissional de marketing que se muda para Paris e inicia a jornada de “levar o ponto de vista americano” a uma luxuosa agência francesa. Além do enredo de comédia romântica clássico, a série passa por cima de um acontecimento que trouxe indignação a muitos consumidores. Emily ganha em poucas semanas cerca de 20 mil seguidores em suas redes sociais, publicando fotos sem planejamento.  

Bárbara já treinou milhares de pessoas e empresas em diversos países para explorarem os recursos do Facebook e Instagram Ads em seus negócios. Ela comenta que a percepção que os consumidores tiveram é positiva, já que demonstra que as produções cinematográficas estão sendo assistidas com discernimento. “É importante saber que estamos avaliando o impacto do que estamos consumindo e pensando criticamente sobre o conteúdo que está sendo produzido”. 

 

O que é tráfego online como aumentar o engajamento? 

Bárbara explica que tráfego online consiste na movimentação de usuários entre páginas. Ou seja, é o tão desejado fluxo que os criadores de conteúdo disputam. A especialista apontou três dicas valiosas para explorar com criatividade os recursos disponibilizados pelas redes sociais: 

Planejamento: Os recursos de anúncios pagos são super úteis para trazer novos usuários, mas não adianta patrocinar conteúdo sem planejamento. Defina quem você quer atingir e depois estabeleça mensagens próprias para esse público. 

Crie estratégias: A internet oferece muito mais conteúdo do que um consumidor consegue analisar. Por isso, diferencie seu conteúdo. As suas estratégias devem ser construídas para tornar esse artigo o mais relevante e interessante possível. Use conteúdos do momento, assuntos atuais e siga as trends que atingem o seu consumidor. 
 

Análise dos resultados: É muito comum na criação de campanhas as pessoas fazerem mais de um modelo de anúncio. As plataformas permitem acompanhar o resultado de cada uma delas. É muito importante analisar os conteúdos de acordo com o alcance gerado por cada um, dessa forma se tem maior clareza do que investir no futuro, de acordo com o retorno.  
 

Engajamento Real x Engajamento Emily em Paris  

Apesar de a série mostrar um impulsionamento de seguidores muitas vezes não compatível com o mundo real, 2020 foi um ano de crescimento dos perfis nas redes. Um levantamento feito pela Faculdade Armando Álvares Penteado (FAAP) apontou que a pandemia de Covid-19 contribuiu para a melhor performance de acessos nos perfis do Instagram dos influenciadores e celebridades brasileiras. Os dados apontam um crescimento médio de 17,3% de seguidores no primeiro trimestre de 2020. 

Júlia Doorman, influencer do ramo da beleza e criadora do canal Cabelos de Rainha e tem mais de 3,5 milhões de inscritos no Youtube, comenta que publicações orgânicas podem ser sim bem aceitas pelo público, a exemplo do que ocorre em Emily em Paris. Segundo ela, o caráter autêntico e simples das postagens demonstra para o consumidor a ideia da realidade da personagem/influenciadora, atraindo novos admiradores da sua rotina. 

Júlia está nesse mercado há dez anos e acrescenta que no início era mais simples se tornar influenciador, porque menos conteúdo era produzido. Hoje as pessoas dão preferência para seguir perfis que fazem postagens regularmente, que postam com estratégia e não só por postar, que falam com seu público e que trazem conteúdos relevantes, todas são maneiras de criar engajamento”, ensina Júlia. Ela também comenta que percebe algumas vezes que as produções criam um perfil de influenciadores que não corresponde com a realidade, não retratando a dedicação que a produção de conteúdo exige. 

O estudo “O Brasil e os influenciadores digitais”, do Ibope Inteligência, mostra que 52% dos brasileiros que utilizam redes sociais seguem algum influenciador digital. A pesquisa também apontou diversos dados interessantes, como o perfil do brasileiro que mais segue influenciadores: são mulheres com idade entre 16 e 24 anos. Outro dado relevante trazido pela pesquisa é o “Motivo para seguir influenciadores”: 

Conteúdo com informação relevante: 74% 
Pensamentos afins: 53%  
Interagir com os seguidores: 29%  
Compartilhar ideias sem as impor: 28%  
Ser uma pessoa engraçada: 28%  
Variedade de assuntos: 20%  
Ser uma pessoa séria: 18%  
Temas cotidianos: 17%  
Sorteio e entrega de brindes: 10%  

 

Sobre os dados a influencer comenta: “74% dos consumidores brasileiros buscam perfis com conteúdo relevante, isso demonstra que nosso público faz escolhas um pouco mais elaboradas para seguir influenciadores. Talvez o perfil da Emily, como aparece na série, não fosse causar grande impacto para o público do Brasil”. 

Currículos 

Bárbara Bruna:  

Especialista em Tráfego Online, treinou milhares de pessoas e empresas em diversos países para explorarem os recursos do Facebook Ads e Instagram Ads em seus negócios.   

Instagram: @babruna  

 

Júlia Doorman:  

Empresária do ramo da beleza, criadora do canal Cabelos de Rainha, com mais de 3,5 milhões de inscritos no YouTube. Realiza projetos para proporcionar autoestima através do autocuidado e autoconhecimento para mulheres de todas as idades.   

Instagram: juliadoorman  

 

Publicidade
Publicidade