Publicidade
Como a tecnologia mudou a fotografia: análise de câmeras de celular e digitais
06 de Dezembro de 2023

Como a tecnologia mudou a fotografia: análise de câmeras de celular e digitais

A evolução da tecnologia fotográfica: do analógico ao digital

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

 

Desde seus primórdios, a arte da fotografia passou por várias transformações tecnológicas. Desde as primeiras câmeras analógicas, que usavam cartuchos de filme, até a atual era digital, em que as imagens são capturadas por sensores de câmeras digitais, a fotografia evoluiu, adaptando-se às demandas e necessidades de seus consumidores e seguidores.

Publicidade

As imagens transformaram a maneira como consumimos notícias, nos relacionamos com o passado e vivemos o presente. Ao longo da história, a arte da fotografia tem sido um desafio considerável, envolvendo físicos, inventores, artistas e químicos, que competiam por cada conquista.

Embora hoje, quando se trata de tirar uma fotografia, existam diferentes modelos de câmeras digitais, tablets e smartphones, é essencial conhecer a evolução dos dispositivos ao longo do tempo.

 

A evolução da tecnologia fotográfica: do analógico ao digital

A primeira fotografia oficialmente reconhecida foi tirada pelo francês Joseph Nicéphore Niépce em 1826, capturando uma imagem que exigia aproximadamente oito horas de exposição à luz do sol, dando origem ao que hoje é conhecido como a técnica de “gravura à luz do sol”. Niépce conseguiu uma fotografia aberta usando uma placa de estanho impregnada com petróleo.

No entanto, foi Louis Jacques Mandé Daguerre quem aprimorou o trabalho de Niépce. Em 1839, Daguerre apresentou o primeiro daguerreótipo, uma caixa escura contendo uma lente e uma placa de prata. Foi essa invenção que possibilitou a produção e a venda em massa de imagens nítidas e de alta resolução.

Até então, a fotografia era exclusividade de profissionais e socialites, até que George Eastman fundou a Eastman Kodak Company em 1880. Foi o inventor e empresário que criou um filme em rolo flexível, eliminando o uso de placas sólidas.

Essa descoberta permitiu que ele desenvolvesse uma câmera de caixa independente com 100 exposições de filme, que apresentava uma pequena lente única sem ajuste de foco. Embora a tecnologia estivesse em constante desenvolvimento, foi em 1936 que a empresa alemã Agfa-Gevaert lançou um filme colorido adequado para manuseio e revelação em qualquer laboratório.

No início da década de 1980, as câmeras analógicas automáticas point and shoot se tornaram populares, permitindo que os fotógrafos amadores obtivessem imagens processadas sem precisar ajustar o foco, a velocidade ou a exposição.

Foi em 1990 que a Kodak lançou a primeira câmera digital, mas seu custo inacessível no mercado impediu sua popularização instantânea. Com o tempo e graças à possibilidade de salvar na nuvem, em cartões de memória e discos externos, a evolução e a oferta de câmeras digitais aumentaram, expandindo-se também para o uso de smartphones, tablets e drones.

 

Comparação entre câmeras de celulares e câmeras digitais

Tanto as câmeras digitais quanto os telefones digitais têm a capacidade de capturar imagens de alta qualidade. No entanto, ambos têm diferenças em termos de sensor de imagem, lentes, fidelidade de cores e portabilidade.

As câmeras digitais, DSLR ou mirrorless têm sensores maiores, o que resulta em mais captação de luz, menos ruído e imagens mais nítidas. Por outro lado, os telefones celulares, por serem compactos, tendem a ter sensores menores, de aproximadamente 1 polegada. Portanto, a qualidade oferecida pelas câmeras digitais é superior à dos smartphones.

Diferentemente dos smartphones, as câmeras digitais permitem a troca de lentes, possibilitando desde uma abertura de luz mais precisa até uma distância focal mais curta. No entanto, as câmeras de telefones celulares têm funções semelhantes que tentam imitar as técnicas de uma câmera tradicional. Entre elas estão o modo retrato, o modo panorama e a grande angular.

Por outro lado, os celulares não oferecem funções básicas, como foco preciso, velocidade do obturador ou várias fotos por segundo, como fazem as câmeras digitais.

Em termos de fidelidade de cores, os smartphones processam fotos com alta faixa dinâmica (HDR) ou cores saturadas, devido ao reconhecimento automático de cenas. É compreensível que o mercado faça tais previsões, pois seus principais consumidores têm pouco conhecimento de fotografia.

Portanto, para aqueles que querem sentir que seu smartphone se assemelha a uma câmera real, alguns celulares oferecem um modo profissional que inclui opções de controle manual, como ISO, foco, exposição e balanço de branco. De fato, alguns dispositivos capturam fotografias em RAW, o que permite mais edição dos realces e das sombras da imagem.

Uma das vantagens dos celulares é a portabilidade. Ao contrário das câmeras digitais, os smartphones são discretos e não ocupam espaço. Além disso, eles estão sempre à mão.

Por último, não se esqueça do custo. As câmeras digitais têm um alto valor de mercado, além do valor dos acessórios e das lentes. Se você quiser começar a fotografar, os celulares são mais acessíveis e têm todas as funções básicas para você começar.

 

O futuro da fotografia: novas tendências e inovações em câmeras digitais

Novas tendências, inovações e tecnologia em constante evolução estão moldando o futuro da fotografia, criando dispositivos e ferramentas incríveis para fotógrafos profissionais e amadores.

Uma das inovações do futuro é que todos os tipos de câmeras têm acesso à conectividade. Nos últimos anos, as câmeras profissionais são as que permitem que o conteúdo seja compartilhado a qualquer hora e em qualquer lugar, graças à incorporação de Wi-Fi, NFC (Near Field Connectivity) e Bluetooth que conectam a máquina a celulares e tablets; uma função ideal para classificar, processar e editar o material de forma rápida e fácil.

Por outro lado, a inteligência artificial (IA) está complementando o mundo da fotografia ao tornar a edição mais eficiente, graças à sua capacidade de melhorar automaticamente a nitidez, a cor, o contraste e a exposição de cada foto.

Para acelerar os processos e obter a melhor foto, a IA já está sendo implementada em futuros dispositivos fotográficos e lentes, oferecendo assistência aos fotógrafos para capturar imagens com maior qualidade e nitidez. Já existem câmeras com sistemas e funcionalidades de estabilização com tecnologia de IA.

Por outro lado, o setor de fotografia está trabalhando na criação de dispositivos que funcionem como um drone, ou seja, de forma remota ou autônoma, eliminando a pré-especialidade do fotógrafo.
Por último, nos próximos anos, veremos câmeras capazes de gerar fotografias imersivas graças ao seu formato 3D e à tecnologia 360°, efeitos que possibilitarão a imersão na foto.

 

Conclusões

Com o avanço das redes sociais e da inteligência artificial, as câmeras digitais se tornaram uma ferramenta de comunicação e transformaram o setor de fotografia. Hoje em dia, os usuários valorizam conteúdos visualmente atraentes e de qualidade, e é por isso que tanto os fotógrafos amadores quanto os profissionais estão exigindo aprimorar exponencialmente suas imagens.

A criatividade e a tecnologia estão repensando o uso de todos os dispositivos, desde a forma de capturar até a forma de editar e divulgar essas imagens. A fotografia está presente em todos os momentos e os usuários estão explorando todas as tendências, levando a arte da fotografia a um novo nível de instantaneidade e criatividade. Sem dúvida, o avanço da fotografia continuará a manter todos os fabricantes acordados e competindo nas próximas décadas.

Publicidade
Publicidade