Publicidade
Lei catarinense determina destino seguro ao lixo eletrônico
26 de Fevereiro de 2008

Lei catarinense determina destino seguro ao lixo eletrônico

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

25/02/08

Empresas serão responsáveis pela destinação final

Publicidade

A partir de agora, fabricantes, importadoras e empresas que comercializam eletrônicos são responsáveis pela destinação final ambientalmente adequada a esses produtos, bem como seus componentes, considerados ???lixo eletrônico???. A determinação veio através de uma lei, sancionada pelo governador do Estado no dia 25 de janeiro,  que altera a Lei 13.557, de 2005.
 
???O lixo proveniente de tecnologias de informação e comunicação ??? como televisores, monitores, teclados, telefones celulares entre outros ??? possui resíduos tóxicos e perigosos capazes de comprometer o meio ambiente???, lembra o autor da lei, deputado  Darci de Matos. Além disso, o tempo de decomposição desses materiais também preocupa: um monitor, por exemplo, leva cerca de 300 anos para se decompor.
 
Reaproveitamento
Mas o lixo tecnológico também pode ser reciclado e gerar oportunidades de emprego e renda. Você por acaso já pensou em transformar seu computador usado num conjunto de peças de bijuteria? Ou mesmo transformar peças de celular e televisão em novos utensílios domésticos? Com o intuito de dar um destino social e ambientalmente correto a esse tipo de lixo eletrônico, o Comitê para a Democratização da Informática de Santa Catarina (CDI-SC) ofereceu, no dia 23 deste mês, uma oficina para ensinar alternativas de reaproveitamento deste tipo de material, evitando que ele seja jogado nos lixões comuns. O evento foi realizado em parceria com o projeto Casa Brasil, do Governo Federal.
 
???O lixo eletrônico preocupa cada vez mais as autoridades de saúde e a população em geral, pois não pode ser encaminhado da mesma forma que o lixo doméstico???, afirma o presidente do CDI-SC, Antônio Póvoas.

Publicidade
Publicidade