Publicidade
Pesquisa compara consumidores de canais tradicionais de rádio aos de música digital
18 de Abril de 2016

Pesquisa compara consumidores de canais tradicionais de rádio aos de música digital

Publicidade

Uma pesquisa realizada pela plataforma Spotify e a TNS Global analisa o novo cenário que se forma desde o avanço do serviço de estreaming e como a mudança de comportamento o consumidor influencia os anunciantes de áudio que atuam nesse cenário em transformação. 

Foram medidos o alcance e a qualidade da versão gratuita do Spotify (mantida por anúncios) ao redor do mundo. Depois de analisar a Europa e o Canadá, agora foi a vez de divulgar os resultados para o Brasil e a América Latina.

Publicidade

Mais de 2.000 ouvintes de música, com idades entre 15 e 65 anos que compõem a população online no Brasil (o que representa 46% da população total), foram investigados com o objetivo de observar não apenas o usuário do Spotify, mas as principais diferenças entre ele e o ouvinte de rádio.

Com isso, a pesquisa mostra que o Spotify está na única posição capaz de alcançar segmentos de público que são difíceis de serem alcançados por meio das rádios comerciais. Além disso, eles usam a plataforma enquanto realizam outras atividades, como navegar na internet, estudar, relaxar, fazer atividade física, dirigir. A maioria dos ouvintes de rádio, por sua vez, escuta a rádio convencional apenas enquanto dirige. Os usuários de Spotify também são mais propensos a serem influenciadores sociais e pioneiros em comparação aos ouvintes de rádio tradicional.

Os ouvintes de Spotify, segundo o estudo, são mais jovens do que os de rádio, bem instruídos e com uma renda familiar estável. A plataforma acredita que, nos dois anos desde o lançamento do serviço no Brasil, já alcançou notoriedade da marca por quase metade da população.

Publicidade
Publicidade