Publicidade
Empresas catarinenses mudam o posicionamento quando o assunto é sustentabilidade
28 de Janeiro de 2022

Empresas catarinenses mudam o posicionamento quando o assunto é sustentabilidade

Pode-se citar como exemplo a criação de uma Central de Resíduos na sede do Grupo Quantum, em São José, na Grande Florianópolis

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Investir em sustentabilidade é um ato de respeito. Tanto com as pessoas, quanto com o meio ambiente. E uma boa alternativa está em unificar as pontas da cadeia de geração e consumo de bens. Assim, os recursos naturais são utilizados com consciência, possibilitando o desenvolvimento, sem causar muitos danos.

Neste cenário a reciclagem aparece como um dos melhores processos de reaproveitamento destes materiais que são diariamente descartados no lixo, de forma a reintroduzi-los no ciclo produtivo. Ela contribui para economia, motivando as empresas a usarem desse sistema para redução de custos no processo produtivo, ao mesmo tempo em que contribuem para a preservação do meio ambiente.

Publicidade

Por isso, tomar decisões socialmente responsáveis e moralmente corretas é uma tendência que vem crescendo no mundo dos negócios. E que tem no sistema ESG (Environmental, Social and Governance) uma estratégia de crescimento e fortalecimento para as empresas que desejam se destacar em um cenário cada vez mais competitivo.

 

Quem já investe?

Na sede do Grupo Quantum, em São José, na Grande Florianópolis, a preocupação com o meio ambiente motivou a criação de uma Central de Resíduos. No local são armazenados e separados, de forma adequada, resíduos gerados durante a rotina da empresa. O processo segue as normas da Política Nacional de Resíduos Sólidos, por isso evita que os materiais descartados causem qualquer tipo de impacto ambiental negativo.

Com foco em iluminação pública e energia solar, a Quantum atua há 30 anos no setor elétrico e tem especial atenção com o descarte de lâmpadas, luminárias e reatores, materiais perigosos que precisam ser descontaminados antes da destinação final. Depois de ficarem armazenados na Central de Resíduos, eles são recolhidos por uma empresa especializada e licenciada para esse trabalho.

Já o material que pode ser reciclado, sem tratamento prévio, ganha um destino especial. Papel, papelão, metal e plástico, são doados à Associação de Coletores e Triadores de Florianópolis, uma entidade sem fins lucrativos, que atua há mais de 20 anos no processamento e comercialização de resíduos secos. O valor das vendas para as indústrias de reciclagem contribui com a renda das famílias envolvidas.

Gilberto Vieira Filho, presidente da Quantum destaca que, “Na Quantum não atuamos pensando somente em atender as legislações pertinentes ao nosso negócio, mas focando no desenvolvimento sustentável, uso consciente dos recursos e reaproveitamento, agregando valor a resíduos que seriam descartados. Além disso, realizando a doação destes materiais recicláveis à entidades sem fins lucrativos, contribuímos de alguma forma, no âmbito social, dentro da comunidade em que atuamos”.

 

Reciclagem no DNA

Outro bom exemplo vem da Agroforte, indústria catarinense de reciclagem animal, com capacidade para processar até 300 toneladas de insumos de peixe por dia. Localizada em Biguaçu, a fábrica é considerada uma das maiores empresas de reaproveitamento de resíduos de pescados do Brasil, sendo que boa parte de sua produção é exportada para diversos países da América Latina.

Mas não para por aí o seu DNA sustentável. A indústria também instalou um container de coleta seletiva na entrada da empresa. Totalmente alinhada aos princípios que a indústria prega diariamente em seus processos de produção em relação à sustentabilidade, a iniciativa busca incentivar as pessoas a fazerem a sua parte. E, com isso, possibilitou que a comunidade do entorno da fábrica tivesse acesso a um ponto de reciclagem.

A estrutura, dividida em cinco categorias de resíduos, permite o depósito do lixo reciclável logo na entrada, de maneira fácil e com a certeza que ele será descartado da maneira correta. O espaço está identificado em cores seguindo a orientação já padronizada mundialmente na coletiva seletiva: amarelo para metais, verde para vidros, azul para papéis, vermelho para plástico e cinza para lixo não-reciclável.

Além disso, a porta traseira do container possibilita que a própria Agroforte também realize a sua coleta seletiva e retire o lixo para ser encaminhado à reciclagem. Uma empresa especializada e licenciada para o trabalho realiza o recolhimento periódico do material depositado no local e dá a destinação correta.

 

Publicidade
Publicidade