Publicidade
Empresas apostam na venda por meio de mensagens de texto e janelas de bate-papo
04 de Janeiro de 2022

Empresas apostam na venda por meio de mensagens de texto e janelas de bate-papo

Método é uma nova forma de comércio de conversação

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Conforme o relatório da Mastercard SpendingPulse, o e-commerce brasileiro apresentou um crescimento de 75% em 2020 se comparado ao ano anterior. Isso se deu após a chegada da pandemia, período no qual as pessoas estavam em isolamento.

Algumas empresas estão apostando que o próximo local para a venda de produtos será em suas mensagens de texto. As startups estão cada vez mais experimentando como as interações e transações de vendas podem ser conduzidas inteiramente em janelas de bate-papo. Esses esforços são possíveis devido aos avanços no processamento de linguagem natural de inteligência artificial que tornam as interações nessa escala mais viáveis, bem como uma mudança geral no comércio eletrônico e no varejo em direção a um serviço mais personalizado e conveniente.

A Wizard, uma startup de comércio de conversação apoiada pelo ex-chefe de comércio eletrônico do Walmart, Marc Lore, recentemente arrecadou US$ 50 milhões para sua missão de fornecer às marcas um serviço de ponta a ponta que lhes permite realizar transações por texto.

A co-fundadora e CEO da Wizard, Melissa Bridgeford, disse que vê a empresa como parte de uma evolução do varejo. “Nossa visão é que estamos realmente entrando em um novo paradigma de compras que não é baseado na web, mas realmente baseado em texto e uma verdadeira solução mobile-first”, disse Bridgeford.

Zach Weinberg, vice-presidente de comércio eletrônico da rede de marketing de desempenho Reprise Digital afirma que, a tendência do comércio de conversação é auxiliada pelo fato de que algumas das tecnologias envolvidas agora estão integradas às operações de atendimento ao cliente de pequenas e grandes empresas, de uma forma ou de outra. Mas os consumidores tendem a pensar nessas ferramentas como mais para questões pós-venda ou busca de informações do que como uma forma de fazer compras por si só.

 

Inteligência Artificial

Andy Mauro, CEO e cofundador da interface conversacional AI Automat, disse que as marcas conseguiram um melhor equilíbrio entre tarefas automatizadas e aquelas que requerem assistência humana. Esse processo foi acelerado, disse ele, depois que as lojas físicas colocaram seus vendedores para trabalhar atrás de telas durante a pandemia e rapidamente perceberam que careciam de ferramentas automatizadas para vender com eficácia aos clientes.

“Um ambiente que foi construído para ajudar o pessoal de suporte ao cliente a responder a perguntas ou lidar com problemas estava sendo usado para impulsionar as vendas”, disse Mauro. “As empresas que estavam realmente focadas no comércio forneceram ferramentas aos varejistas que ajudam seus vendedores [que] vivem atrás de uma tela digital a trabalhar melhor. Estamos no caminho para chegar ao ponto onde veremos mais e mais automação verdadeira, e será interessante ver se as crianças de 12 anos que fazem compras em Roblox se importam se estão falando com um vendedor humano ou um AI ”, afirma Mauro.

 

Oriundo Adweek

Publicidade
Publicidade