Coluna Carlo Manfroi | A cidade está te convidando. Aceita?
30 de Maio de 2022

Coluna Carlo Manfroi | A cidade está te convidando. Aceita?

Resta preparar as pessoas para as cidades inteligente

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook
Por Carlo Manfroi 30 de Maio de 2022 | Atualizado 29 de Maio de 2022

Com a transformação digital, as cidades viraram plataformas onde há uma grande capacidade de interação.

Se antigamente era difícil encaminhar um problema da sua rua e do seu bairro à prefeitura, e muitas vezes isso se dava através das heroicas e atuantes associações de moradores, hoje a situação é completamente diferente.

Publicidade

Graças às ferramentas digitais, como aplicativos e redes sociais, hoje é possível apontar um problema e dar divulgação ao mesmo na hora em que acontece.

Seja nas páginas da prefeitura ou em seus canais próprios, os moradores estão cada vez mais ativos, reivindicando seus direitos e exercendo a cidadania.

As pessoas já descobriram que, colocando nas redes, de forma pública, há apelo popular pela causa, gerando curtidas e interações e forte pressão sobre a administração pública, o que aumenta as chances e a velocidade na solução.

No novo contexto da smart city, a cidade inteligente e preparada para as pessoas, estamos caminhando para um passo além do apontamento de problemas por parte do cidadão.

Vamos agora na direção da construção de um cenário muito mais amplo, salutar e promissor, tanto para as prefeituras quanto para os cidadãos.

Com a contratação de novas ferramentas colaborativas para seus gabinetes digitais, as administrações públicas convidam os moradores a apontar melhorias em suas ruas e bairros espontaneamente, a qualquer momento, de forma fácil e ágil. Pode fotografar um buraco, sugerir uma nova lixeira, uma poda de árvore e por aí vai.

Assim é possível contar com a fiscalização e participação de todos para fazer uma cidade melhor, mais segura, justa e feliz. E não mais fazer a denúncia apenas quando o problema já se agravou e gerou vítimas.

Emplacando esse novo modelo – e tudo leva a crer que sim – passamos a viver e trabalhar de forma preventiva.

E essa forma de trabalhar e vivenciar a cidade irá gerar, sem dúvidas, uma economia para o município que poderá retribuir com novos equipamentos para a saúde e o bem estar da população.

Pode comemorar! Esse é um novo círculo virtuoso e feliz no qual estamos dando ainda os primeiros passos dessa longa caminhada.

Publicidade
Publicidade