Ana Lavratti entrevista a médica humanitária Valeria Blanco

31 de Março de 2021

Nesta quarta à noite tem LIVE da autora com a anestesiologista Valeria Blanco, pelo instagram

Valeria Blanco no lançamento do livro Você Mulher Ainda Melhor, no Sebrae-SC

 

Nascida em Posadas, onde a província argentina de Misiones afunila para o Paraguai, Valeria Blanco já nasceu fadada a cruzar fronteiras. Mas em vez da moderna ponte que desponta entre os dois países, viria a cruzar outros mares, para morar em Florianópolis. Cursando Medicina na Faculdade de Ciências da Saúde, em Santo Tomé na Argentina, foi sob as bênçãos de São Borja – primeira cidade dos Sete Povos das Missões no Brasil – que a flecha do cupido demarcou o seu destino, a 1.300km de distância.

 

Na terra de dois presidentes, Getúlio Vargas e João Goulart, Valeria conheceu o médico Maurício Ceccon, natural de São Borja e anestesiologista em Florianópolis. Dois anos e meio depois, com milhares de milhas acumuladas e oficialmente casada, a médica tinha ciência da “sangria” que se seguiria: abdicar da cidadania, afastar-se da família e ser privada da profissão, até vencer a prova que provou ser uma batalha, com menos de 10% de aprovação. Para validar o diploma de Medicina, o requisito foi ir até Cuiabá, capital do Mato Grosso, enfrentar uma prova com seis horas de duração.

 

Não bastasse a temperatura escaldante da famosa “Cuiabrasa”, Valeria chegou na cidade à base de morfina. Submetida a uma cirurgia de apêndice, a médica foi operada na quarta-feira, permaneceu internada até o dia seguinte, e um dia após a alta já embarcava para Cuiabá, onde bastou descer do avião para o desmaio confirmar sua real condição. Com cerca de 200 aprovados, entre 2 mil candidatos, seu nome estava na lista, descortinando uma nova fase profissional, com o exercício da Medicina e a residência em Anestesiologista.

 

Pela brilhante atuação, envolvida em pesquisas sobre o bloqueio de nervos periféricos guiado por ultrassonografia, o que destitui em muitos casos a indicação de anestesia geral, Valeria conquistou a oportunidade de observar a vanguarda in loco, acompanhando cirurgias no Children’s Hospital of Chicago em 2015. E foi no extremo inverno dos Estados que os ventos da windy city sopraram a seu favor. Além de receber a notícia de que havia sido contratada para trabalhar no Hospital Infantil Joana de Gusmão, conquistou o privilégio de ser médica humanitária.

 

Entusiasmada com a descoberta, de que aderir à Operação Sorriso, numa organização médica não-governamental que já atendeu quase 250 mil pacientes lábio leporinos em 60 países, não se tratava de escolha, era um chamado para quem “tem o perfil”, Valeria voltou ao Brasil na honrosa condição de única representante de Santa Catarina no programa internacional. Do extremo Norte do Brasil à falta de sorte no Paraguai – quando um paciente, identificado pela “gangue inimiga”, transformou a tenda em arena de batalha – a cena final era sempre a mesma: sorrisos revelados, esbanjados, com a cirurgia mudando mais do que o rosto, decretando a paz entre a imagem e o espelho.

 

Em Monterrey, no México; em Cavite, nas Filipinas; em Raipur, na Índia; na UTI em Florianópolis, onde crianças e adolescentes lutam bravamente contra a Covid, Valeria recorre a um leal aliado: o inseparável leão Rodolfo camuflando o estetoscópio como se fosse um cachecol. Com personagens no jaleco, conduz cada paciente ao mundo lúdico onde a esperança prevalece sobre a dor. Dominando três idiomas, inglês, espanhol e português, sempre ávida por aprender, a Dra. Valeria nunca se priva de ensinar.

 

Membro da Latin American Society of Regional Anestesia, entidade que dissemina a anestesia regional, de nervos periféricos, repassa aos colegas e médicos residentes o que aprimora mundo afora, com a mesma disposição que já mostrava nos tempos da faculdade, quando dar mentoria era pré-requisito para a bolsa de estudos. Aos 36 anos, do centro cirúrgico bem equipado ao mais improvisado, a dedicação se debruça sobre o mesmo provérbio: “sempre fica perfume nas mãos que oferecem flores”.

 

Personagem do livro VOCÊ MULHER AINDA MELHOR, onde resume sua história com mais 30 mulheres proativas, a anestesiologista Valeria Blanco conversou com a autora, Ana Lavratti, durante a sessão de autógrafos no Dia da Mulher, e é a convidada da LIVE DESTA QUARTA-FEIRA, 31 de março, às 20h pelo instagram @AnaLavratti

 

 

 


 

Quer saber onde encontrar o livro mais próximo de você? Escreva para editora@analavratti.com.br

ENTREVISTA: Gravação e edição da Canal 3 / TV Sebrae

FOTOS: Gabriela Müller

 

Anestesiologista Valeria Blanco mostrando o livro aberto
Capítulo dedicado à argentina cidadã do mundo

Ana Lavratti

  • imagem de lavratti
    Ana Lavratti é Jornalista e Mestra pela UFSC com pesquisa sobre a Notícia em Meio Digital Online. Acumula experiência em mídia impressa, eletrônica e assessoria de comunicação. Também é escritora, autora de 6 livros e 4 e-books, e atua como colunista social desde 2014. www.analavratti.com.br / social@analavratti.com.br Curta o Instagram @analavratti

Notícias Relacionadas