Lego e o poder da criatividade que se compartilha na multidão | Cannes Lions 2017

19 de Junho de 2017

Como uma empresa de 85 anos de existência se tornou a marca mais envolvente em todo universo digital?

Construindo emoção na era digital

Até 2011, a marca de brinquedos Lego não possuía nem mesmo uma simples página no Facebook ou qualquer outra iniciativa em mídias sociais. Ao mesmo tempo em que a tecnologia continua se inovando a Lego continua sendo sempre a mesma: um produto genérico feito de plástico, com uma marca registrada e nada mais.
Mas o que faz a Lego ser considerada uma das marcas mais apreciadas pelos consumidores?

Lars Silberbauer, Diretor Sênior Global da Lego, apresentou o seminário The Lego Social Media Journey “A Jornada Social do Lego”, no Cannes Lions 2017 e o portal AcontecendoAqui, único veículo do Sul do Brasil especializado em comunicação e marketing presente no Cannes Lions, realizou a cobertura do seminário com sua equipe diretamente de Cannes, França.
Lars citou primeiramente no início de sua palestra que as mídias sociais podem ser consideradas um conjunto de tecnologia que realçam a nossa natureza social. E o que faz a Lego ser o que ela é acaba sendo simplesmente o poder da criatividade na construção de blocos e blocos através de suas peças.
 

A construção de uma marca no mundo digital bloco por bloco
A Lego não entrou no mundo digital investindo milhões de dólares para recuperar o tempo perdido e a sua ausência em plataformas como o Facebook ou Youtube. Ao contrário, seu início foi muito bem planejado e focando quatro elementos: aumento de vendas, melhorando a eficiência do marketing, criando afinidade com a marca e minimizando impactos negativos.

Com o objetivo de controlar melhor suas primeiras ações de marketing nas mídias sociais, a Lego deu início à sua jornada na web com uma campanha de apenas U$100,00 e assim observar de perto o seu sucesso ou fracasso.

 

Construindo e Descobrindo o Mundo com George e Kronkiwongi
As primeiras ações nas mídias sociais com o Lego levaram em conta alguns dos princípios básicos da marca que são construindo em conjunto, o poder da criação e o valor que ela representa aos seus consumidores.

Com uma simples ação de marketing no Facebook, os consumidores poderiam criar o personagem George e capturar fotos com ele em vários lugares ao redor do mundo e esta ação permitiu a criação de várias situações criativas e inusitadas. Em uma outra ação, comprovou-se a força da criatividade das crianças, pois somente elas poderiam descrever um “Kronkiwongi” e criar em peças de Lego a sua representação perfeita. “É tudo uma questão de construir emoções. Quando adultos, perdemos quase 98% do nosso potencial criativo”, enfatizou Lars.

Estas foram algumas das primeiras iniciativas da Lego que contribuíram para que ela se tornasse a marca com o maior poder de engajamento no mundo digital.

Descobrindo o mundo com George

Kronkiwongi

Confira o ranking das marcas no mundo digital através da pesquisa realizada pela MidiaPost:

O valor da criatividade é muito maior do que a marca Lego representa no mercado. Não importa o que a marca desenvolve como produto, o poder de criação da multidão e sua capacidade de compartilhar experiências será sempre muito maior. O debate terminou com uma questão onde a plateia fez uma reflexão: A Lego seria a salvação para tirar as nossas crianças e adolescentes do confinamento na internet?