Publicidade
Tendências em trade marketing para 2024
26 de Janeiro de 2024

Tendências em trade marketing para 2024

Uma tendência crucial para o trade marketing em 2024, foi a adoção de uma abordagem baseada em dados precisos

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Os avanços em tecnologia registrados em 2023, com a criação de soluções cada vez mais voltadas para cada especificidade do trabalho de Trade Marketing, deixaram um legado.

Em 2024, os investimentos devem ser voltados para esforços que aumentem de fato o sell-out, baseados em critérios e indicadores consistentes.

Publicidade

Conversamos com especialistas em Trade Marketing que apontaram seis tendências sobre o que não pode ficar de fora dos planos de agências, indústrias e distribuidoras que querem alcançar outros níveis de execução em 2024:

1. Eliminar a subjetividade

2023 foi marcado pela popularização do uso de ferramentas de inteligência artificial. Neste ano, a tendência é que recursos de IA tornem-se ainda mais comuns e a previsibilidade e segurança que trazem os dados obtidos por meio da inteligência sejam cada dia mais indispensáveis. Nos pontos de venda (PDVs), contar com informações auditadas tornou-se indispensável.

A primeira tendência crucial para o trade marketing em 2024, apontada por vários dos especialistas que conversamos, foi a adoção de uma abordagem baseada em dados precisos, deixando de lado a subjetividade e o “achismo”. A necessidade de acompanhar a execução com informações auditadas torna-se ainda mais evidente a partir deste ano. Essa evolução exige que as equipes de Trade Marketing estejam equipadas para avaliar a adequação do mix de produtos em cada canal, prever aumentos de vendas sazonais e compreender o comportamento do shopper.

2. Comunicar com eficiência

Outro foco da indústria em 2024 deve ser em soluções para melhorar a comunicação entre os times. Para André Krummenauer, CEO da Involves, a troca de informações precisa acontecer de forma descentralizada e alcançar todos os setores. Por isso, uma das principais tendências para o próximo ano é a integração.

“A coerência entre o que é visão na ‘sala de justiça’ de um time decisor e o que é implementado no dia a dia no PDV precisa ser checada diariamente”, recomenda André. Para que essa estratégia funcione, é preciso priorizar ferramentas exclusivas de Trade Marketing, que permitam que diferentes times (além do trade) estejam conectados à estratégia em loja. “Isso é comunicação e integração de toda a indústria no mesmo propósito”, destaca o CEO. Além disso, essas soluções proporcionam inteligência às indústrias, agências e distribuidoras, oferecendo recursos de educação contínua, por meio de bibliotecas específicas, e garantem acesso seguro e o compartilhamento adequado dos dados.

3. Experiências imersivas

Em relação à experiência de compra dos consumidores, o uso de realidade aumentada (AR) e virtual (VR) pode indicar uma mudança significativa no cenário do varejo, criando ambientes mais dinâmicos e atraentes. Para Rutherford Morais, Founder & Partner at Geniale Trade Innovated, ao longo deste ano devem surgir novidades no sentido de proporcionar experiências diferentes para varejistas e consumidores, como realidade mista para treinamentos. “Assim, é provável que sejam lançados catálogos, manuais e outros conteúdos que utilizem recursos como marcações visuais para trazer funcionalidades extras quando captadas pela câmera do celular”, aposta..

4. Foco em pessoas

Apesar dos avanços em tecnologia dos últimos anos e das previsões de ainda mais investimento em soluções que ajudem a aumentar a produtividade das equipes e os lucros dos negócios, a execução ainda está na mão das pessoas. Para Lindiane Baisch, gerente de Trade Marketing da PepsiCo, sem pessoas comprometidas, qualificadas e felizes é impossível entregar qualquer resultado. “O objetivo deve ser desenvolver, engajar, integrar, qualificar as pessoas, buscando um time de alta performance, focando nas habilidades e desafios individuais”, recomenda. Em um ambiente de negócios dinâmico, a capacitação contínua melhora a adaptabilidade da equipe a deixa mais preparada para lidar com as transformações necessárias no mercado.

5. Cultura de execução

Outro ponto levantado por André Krummenauer, CEO da Involves, é a valorização da cultura de execução, que deve estar presente em todos os setores da empresa, inclusive nas lideranças. “Não há mais espaço para delegar ou delargar a execução para os times de chão de loja. Percebemos um movimento em diversas CPGs (Consumer Packaged Goods – Bens de Consumo Embalados) em que toda a liderança passa a respirar o Ponto de Venda. Inclusive com metas de visitas, de auditoria de loja, de feedback e interação com o canal. Liderança pelo exemplo, iniciando pelo management”, destaca.

6. Profissionais mais analíticos

Ainda dentro do âmbito do capital humano, para Cesar Duro, CEO da Sellers, quando se trata de um mercado direcionado pelos fatores econômicos, aumenta a necessidade de profissionais que sejam mais analíticos e, principalmente, focados em melhorar cada parte do processo. “Ou seja, buscar isso orientado à eficiência. Quando estamos falando de planejamento de 2024 o principal de um profissional é entender não só olhando para frente, mas olhando para o histórico, analisando cenários e comportamentos, identificando os gargalos e gaps de oportunidades da operação: onde pode melhorar a execução, onde melhora a distribuição, mix adequado e controle de precificação frente à concorrência de forma muito mais precisa”.

Publicidade
Publicidade