Publicidade
Pesquisa de O Boticário revela o impacto da paternidade na educação de crianças
25 de Julho de 2022

Pesquisa de O Boticário revela o impacto da paternidade na educação de crianças

Ação é o ponta pé inicial da marca para sua campanha de Dia dos Pais

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Como ponto de partida de sua campanha de Dia dos Pais, O Boticário apresenta uma pesquisa inédita que traz uma perspectiva sobre o impacto da paternidade na educação de crianças, revelando o papel e a visão desses pais diante das transformações de padrões e comportamentos contemporâneos.

Intitulado “Retrato da Paternidade no Brasil”, o estudo foi realizado pela Grimpa, Consultoria de Pesquisa de Mercado e Consumer Insights e revela que os pais brasileiros reduziram a fala rotineira de frases consideradas machistas após a chegada dos filhos. A expressão “seja homem”, por exemplo, teve uma redução de 50%, enquanto “menino não chora” registrou queda de 36% — indicando uma mudança no comportamento após a paternidade. A revisão de atitudes também pode ser percebida em outro dado: 56% dos entrevistados afirmam que consideram muito importante ser um exemplo positivo para os filhos

Publicidade

Os dados conclusivos têm como fio condutor um tema atual e de interesse social, a partir de uma análise comportamental de pais brasileiros no que diz respeito à participação nas atividades diárias e educação; forma como se relaciona com seus filhos; ensinamento e transmissão de princípios; reprodução de expressões associadas a gênero; assédio e mudança de comportamento a partir da paternidade. Entre os entrevistados, um número expressivo já demonstra maior preocupação e responsabilidade em abrir diálogo sobre o tema: 69% relatam que explicam aos filhos que as diferenças sociais entre homens e mulheres existem e que temos que ser cuidadosos para minimizá-las.

Paternidade + participativa e afetiva

Além de traçar os perfis dos pais brasileiros, a pesquisa mapeou desafios e caminhos para a consolidação de uma nova paternidade — mais participativa e afetiva, que de acordo com os dados obtidos, aponta para a construção de um legado por meio do exemplo, da educação e relação de afeto e amor entre pai e filho. Entre os indicadores levantados pela Grimpa, está a menção do pai como figura masculina mais importante e, para 62% destes, a escolha é motivada pela transmissão de ensinamentos essenciais para a vida. Além disso, para mais da metade dos pais ouvidos, 57%, a educação recebida deve ser passada da mesma forma aos filhos, uma vez que não se transforma com o passar do tempo.

Conexão e afeto

Quando o tema é conexão e afeto, 62% dos pais entrevistados alegam que, sempre que possível, têm o hábito de beijar, abraçar e fazer carinho nos filhos; 59% diz conversar sobre escolhas e consequências de ações; e 57% declara que tem como hábito dizer frases amorosas e encorajadoras. Os dados indicam maior participação e envolvimento emocional acerca do paternar, mas um quarto dos pais, 25%, ainda têm dificuldade de falar sobre a educação dos filhos com outras pessoas, seja porque não sente necessidade (68%), seja por não se sentirem à vontade (32%).

Diante das transformações sociais que o mundo vem passando, Marisa Camargo, Diretora de Pesquisa da Grimpa, afirma que é indispensável refletirmos sobre essa tendência à manutenção de ideias e comportamentos, transmitidos por gerações. “No mundo onde os desafios acerca da educação são muitos, é necessário trazer o pai para o centro dessa discussão. O estudo mostra uma preocupação genuína dos novos pais em deixar um legado positivo e consciência que a própria paternidade tem o poder transformador”, comenta.

Desafios

Alguns dados apontam para desafios futuros partindo do retrato mais atual da paternidade e educação no Brasil. Enquanto 56% dos entrevistados declararam acreditar ser um ótimo pai para os filhos, apenas 27% afirmam que quer que seus filhos sejam felizes, mesmo que fuja daquilo que idealizou. Ao mesmo tempo, os resultados apontam a ressignificação de alguns estereótipos acerca do papel do pai: apenas 9% dos entrevistados se declaram “pai provedor”, ou seja, que tem como principal responsabilidade garantir o sustento dos filhos; metade, 50%, consideram-se “pai participativo”, que acompanha as etapas do desenvolvimento do filho e está sempre disponível. O dado também é expressivo quando os respondentes são perguntados sobre corresponsabilidade: 90% acredita que os cuidados diários e a educação devem ser igualmente divididos entre os responsáveis.

A pesquisa

A pesquisa reuniu respostas de mil homens com acesso à internet, das classes A, B e C, de todas as regiões do Brasil, com filhos de 5 a 15 anos. “Participaram pais de 25 a 55 anos, cuja visão revelou a emergência de uma paternidade com novos valores e atitudes. Pais das gerações Millenial e X identificam-se com uma paternidade participativa com mais expressão de afeto e diálogo, bem como a consciência do seu papel”, afirma Marisa Camargo, Diretora de Pesquisa da Grimpa.

O estudo servirá como embasamento social para o tema macro da campanha de Dia dos Pais do Boticário, que posiciona a educação como o maior legado que um pai pode deixar na vida de um filho.

 

Foto da capa de Jonathan Borba no Unsplash

Publicidade
Publicidade