Publicidade
ENTREVISTA | Arthur Afonso, fundador da ArtFluence, de Florianópolis
09 de Abril de 2024

ENTREVISTA | Arthur Afonso, fundador da ArtFluence, de Florianópolis

Empresário foi o único participante de Floripa na Brazil Conference at Harvard & MIT, em Boston

Publicidade

 

Publicidade

Após passar pelos maiores eventos do mercado de marketing e inovação do Brasil, o especialista em marketing estratégico Arthur Afonso decolou para Boston, nos Estados Unidos, onde participou no último fim de semana da 10ª edição da conferência que reúne grandes nomes do país, no maior pólo educacional do mundo. A Brazil Conference é organizada pela comunidade de alunos brasileiros da Faculdade de Harvard e do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e contou em sua programação com painéis e palestras com líderes globais. A edição comemorativa de dez anos do evento teve como objetivo central proporcionar o encontro dos “vários Brasis”.

Arthur Afonso, com mais de 15 anos de bagagem em marketing digital e hoje à frente da sua própria agência, ArtFluence, foi o único participante de Florianópolis presente nesta edição da conferência, a maior da história do evento, na qual se destacaram painéis com grandes nomes como J.P. Lemann, Alexandre Birman, Ivete Sangalo, Nizan Guanaes, João Adibe, Luciano Huck, Luis Roberto Barroso, Jade Picon, entre outros. “Além das discussões valiosíssimas e inspiradoras dos painéis, o networking que o evento proporcionou foi digno de Harvard”, reforça Arthur.

 

O que te motivou ao Brazil Conference?

Sempre fui entusiasta de eventos e já venho há alguns anos participando dos maiores eventos do calendário nacional. A cada um que participo me recarrego e impulsiono minha carreira de alguma forma, seja com um gás extra, uma mudança em algum processo, otimizações técnicas etc.
A Brazil Conference surgiu como uma oportunidade de vivenciar um evento internacional nos campus de Harvard e do MIT que sempre tive vontade de conhecer e dispensam apresentações.

 

Se puder eleger um destaque da conferência, o que seria?

Sem dúvidas o networking. Durante toda a programação da conferência os palestrantes circulavam pelas salas e áreas comuns. Enquanto você pegava um café cruzava com J.P. Lemann; alguém pedia licença, você virava era o Luciano Huck (risos). Além dos big names já citados, todos os participantes e painelistas eram mentes brilhantes e muito abertas para o diálogo.

 

Tratando de conteúdo, o que você destaca que foi discutido e podemos aplicar no mercado catarinense?

Acredito que o principal destaque da Brazil Conference foi a potência que é o Brasil e a quantidade de mentes brilhantes que temos.
Dentro de alguns painéis sobre impacto social, tive a oportunidade de conhecer iniciativas incríveis que fazem a diferença em grupos sociais que realmente precisam dessa atenção. Sobre a aplicação no mercado catarinense acredito que nos dias de hoje devemos sempre buscar gerar impacto social a partir das nossas empresas em nossas comunidades, por mais que estejamos em uma região muito mais privilegiada do que em grandes centros onde estão as grandes favelas nacionais.

 

O que vem na bagagem para Florianópolis depois dessa imersão em Harvard e no MIT?

Vou ter que pagar excesso de bagagem, com certeza (risos). Levo muita gratidão a cada um dos voluntários da Brazil Conference, que se doam para gerar discussões como essa; levo uma cabeça borbulhante, com um projeto que pode gerar um impacto social lindo em nossa cidade e já está sendo esboçado para ser colocado em prática o quanto antes. E, principalmente, levo a reta final da negociação do primeiro cliente internacional da ArtFluence, que muito me orgulha pelo caminho que estamos seguindo.

 

Pra fechar, qual o principal insight do evento?

Escolher um é muito difícil, mas destaco a fala do Edu Lyra da Gerando Falcões (@edulyragf) que traçou um paralelo entre criar uma empresa para ser rico e criar uma empresa com propósito. Criar uma empresa exclusivamente pensando em dinheiro, no lucro, é como “ser um estoque” – algo estático, engessado, duro e que se torna pesado. Já criar uma empresa que traz um propósito em seu DNA é como ser um centro de distribuição; existe o estoque, ele gira/circula, promove impacto em outras pontas, tem leveza e isso tudo se torna cíclico (retorna).

 

Quem é Arthur Afonso
Nativo digital, publicitário, especialista em Marketing Estratégico pela ESPM e em Comunicação Digital & E-Branding pela PUC-PR. Arthur Afonso (32) hoje se dedica exclusivamente à sua agência, ArtFluence, com braços de Social Media e Tráfego Pago / Performance, atendendo clientes de diversos segmentos. Com mais de 15 anos de experiência no mercado, acumula cases de grande relevância no mercado de entretenimento e nomes de peso no seu portfólio.

 

Arthur Afonso com J. P. Lemann

Publicidade
Publicidade