Publicidade
Floripa Tap: cinco dias de programação com um público de 6 mil pessoas
03 de Junho de 2024

Floripa Tap: cinco dias de programação com um público de 6 mil pessoas

O palco aberto na Beira-mar Norte contou com apresentações de mais de 50 grupos de dança

Publicidade

O 13° Festival Internacional Floripa Tap chegou ao fim com um saldo de 8 espetáculos gratuitos, mais de 60 oficinas e uma programação que alcançou mais de 6 mil pessoas.

O palco aberto na Beira-mar Norte, novidade desta edição, contou com apresentações de mais de 50 grupos de dança. O ponto alto da programação foi a Noite de Gala, no Teatro do CIC, no sábado, 1°, com apresentações de grupos selecionados e sapateadores convidados.

Publicidade

A diretora do festival, Marina Coura, trouxe quatro artistas internacionais para o evento, incluindo a virtuose do sapateado com jazz Josette Wigan, dos Estados Unidos, que veio pela primeira vez ao Brasil. Os sapateadores Daniel Borak, da Suíça, e Maud Arnold e Star Dixon, dos Estados Unidos, completaram os destaques internacionais do festival.

Foto:Tóia Oliveira

Os quatro artistas internacionais participaram do duelo e da Jam Session que abriu a programação do Floripa Tap, na noite de quarta-feira (29). O duelo teve como destaque a improvisação que originou disputas entre os dançarinos, também chamadas de “batalhas de improviso”. Já a Jam Session, também com música ao vivo, contou com performances improvisadas dos professores do festival, em uma oportunidade para o público ver de perto a sua técnica, ritmo e desenvoltura.

Uma mostra de dança com mais de 50 performances solos, de duos, trios e grupos de todo o Brasil, selecionados pela curadoria do festival, abriu a programação no palco aberto da avenida Beira-mar Norte na noite de quinta-feira (30). Já na sexta-feira (31/5) o palco da Beira-Mar recebeu outros dois espetáculos, ambos com intérprete em libras. A companhia carioca Based in BXD apresentou o espetáculo “O Som Lá de Casa” e a cantora Dandara Manoela trouxe o show “Minha Prece Ecoa”.

Além disso, cerca de 700 crianças e adolescentes do Centro de Educação Popular (Cedep), na comunidade de Monte Cristo, que integra a Rede Instituto Vilson Groh (Rede IVG), e da Associação Casa São José, no bairro Serrinha, tiveram aulas gratuitas de sapateado. As atividades, conduzidas pela diretora do festival internacional, Marina Coura, já fazem parte do calendário do Floripa Tap, que realiza uma programação social em todas as edições desde 2015, buscando divulgar a arte e despertar o interesse de crianças e adolescentes. A Casa São José é beneficiada com aulas gratuitas de dança para crianças o ano todo, sendo que o festival também possui alunos e alunas bolsistas para as aulas das oficinas. São mais de 300 estudantes contemplados de vários lugares do Brasil.

Foto:Tóia Oliveira

Publicidade
Publicidade