Publicidade
Funcionários da Empresa Brasileira de Comunicação reivindicam direitos e ameaçam paralisação durante a Copa
23 de Maio de 2014

Funcionários da Empresa Brasileira de Comunicação reivindicam direitos e ameaçam paralisação durante a Copa

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

ebc assembleiaEm assembleia realizada nessa quinta-feira, 22, simultaneamente nas praças da empresa no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Brasília, os empregados decidiram que, caso a empresa não apresente uma proposta de novo Plano de Empregos, Carreiras e Salários (PECS), as atividades serão interrompidas no dia 10 de junho, a dois dias do início da Copa do Mundo.
Reunião definiu data da possível paralisação (Imagem: Divulgação/Sindicato do Jornalistas do Distrito Federal)
Jornalistas, radialistas e demais profissionais que compõem o quadro da EBC querem que os compromissos firmados para a finalização da greve que aconteceu há seis meses sejam cumpridos. Com mais de 2 mil empregados, o sistema de comunicação pública é responsável pela produção da TV Brasil, Agência Brasil, Rádios MEC AM e FM e o programa ‘Voz do Brasil’. No ano passado, foram prometidos a implantação do vale-cultura e a ampliação da licença-paternidade de cinco para sete dias.

De acordo com informações do Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal, nova reunião, agendada para o dia 6, irá avaliar os avanços da negociação e vai definir o rumo da paralisação. Outras reivindicações do grupo são o pagamento das horas-extras e a concessão de vestuário para apresentadores, repórteres e outros profissionais, como está previsto em cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho.

Publicidade

Além disso, eles cobram que a empresa apresente a nova proposta de Plano de Empregos, Carreiras e Salários (PECS) que está sendo finalizada. A revisão foi iniciada a partir de reivindicação dos empregados em negociação do Acordo Coletivo de 2011/2012, teve início em maio de 2013 e a proposta final da consultoria contratada para o trabalho deveria ter sido apresentada até abril deste ano.

Sobre o PECS, os trabalhadores reivindicam que a reformulação do plano deve garantir que o topo da carreira possa ser atingido em menor tempo, correção de situações de acúmulo e desvio de função, pagamento de gratificação por titularidade, aumento do piso e nas tabelas salariais, entre outras medidas. Procurada pela reportagem, a EBC ainda não se manifestou sobre o caso.

Publicidade
Publicidade