Publicidade
FIESC e Grupo ND lançam campanha de educação para um trânsito mais humanizado
26 de Maio de 2022

FIESC e Grupo ND lançam campanha de educação para um trânsito mais humanizado

A iniciativa integra ações da Campanha SC Não Pode Parar em prol das rodovias federais de Santa Catarina

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Com a temática  “A rodovia é um meio, não deixe que seja um fim”, Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) e o Grupo ND se mobilizam para conscientizar a população sobre os impactos que os acidentes causam no trânsito, principalmente nas rodovias, pelas perdas humanas, pelos transtornos de engarrafamentos e também pelos prejuízos econômicos, que envolvem as pessoas e os cofres públicos.

Visando chamar a atenção para essa causa, nesta quinta-feira (26) começa a campanha em toda a programação jornalística da NDTV, no portal ND+ e também no jornal ND. Serão veiculados conteúdos especiais com as histórias por trás dos números, análises de especialistas, iniciativas para mudar esses tristes dados e que possam humanizar o trânsito em Santa Catarina.

Publicidade

O material vai apresentar as estatísticas levantadas pela Fiesc que comprovam as perdas. Somente em 2021, duas rodovias federais de Santa Catarina figuraram entre as dez mais violentas do Brasil. 

O trecho da BR 101 que corta o estado é o campeão em acidentes e feridos no país, e o quarto em número de mortes. Já a BR 470, no Vale do Itajaí, ficou na décima posição em acidentes e em nono lugar na quantidade de feridos. Se somarmos os dados do ano passado de todas as nove rodovias federais em território catarinense, o estado é o segundo em acidentes e feridos, e o quarto onde mais se morre nas estradas. 

E conforme esclarece a Polícia Rodoviária Federal (PRF), esses acidentes em sua grande maioria podem ser evitados, porque são causados por falha humana. Mas outros problemas de infraestrutura também influenciam diretamente nesses números alarmantes. Egídio Martorano, gerente de logística e sustentabilidade da Fiesc acompanha e analisa há mais de uma década os números e a situação das rodovias federais no estado. Além da imprudência dos motoristas, Martorano acredita que o crescimento desordenado no entorno da BRs e a falta de investimentos em infraestrutura rodoviária tem contribuído para agravar a situação.

 

Foto do topo mostra um acidente entre caminhão e ônibus no km 94 na BR-282 em Alfredo Wagner. Crédito: Flávio Tin

Publicidade
Publicidade