Publicidade
36º Congresso Nacional dos Jornalistas será realizado em Alagoas, de 02 a 06 de abril
01 de Abril de 2014

36º Congresso Nacional dos Jornalistas será realizado em Alagoas, de 02 a 06 de abril

Durante o 36º Congresso Nacional dos Jornalistas haverá um ato público no Memorial ao Menestrel Teotônio Vilela em homenagem às vítimas da ditadura.

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook
Por Emílio Cerri 01 de Abril de 2014 | Atualizado 02 de Junho de 2022

36congresso-e1396304221180

Não por acaso realizado no período em que se registram os 50 anos do golpe civil-militar de 1964, o 36º Congresso Nacional dos Jornalistas será realizado em Alagoas, de 02 a 06 de abril, tendo como tema geral “O Jornalismo, os jornalistas e a democracia”. Em Maceió, os jornalistas brasileiros, ao lembrarem as restrições à liberdade, estarão assumindo seu papel ontológico de guardiões e promotores desta liberdade. O jornalismo e os jornalistas que o realizam guardam e promovem a liberdade assentada na verdade e comprometida com a justiça e a igualdade. A delegação catarinense ao evento é composta pelos jornalistas Valmor Fritsche, Valci Zuculoto, Linete Martins, Tânia Machado de Andrade e Carlota Medeiros.

Publicidade

Caberá ao sociólogo francês Dominique Wolton, um dos grandes especialistas europeus em política e comunicação, a conferência de abertura “Jornalismo para humanizar a comunicação”. Um dos assuntos a serem abordados no evento é a crescente violência contra jornalistas no exercício de suas funções no Brasil. A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) teve incluídas, no relatório elaborado por um Grupo de Trabalho da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República para coibir a violência, propostas como a federalização da investigação de crimes contra jornalistas, a criação do Observatório da Violência contra profissionais de comunicação e a ampliação dos programas de proteção aos profissionais da comunicação em casos de ameaças.

Ao Ministério da Justiça, recomendou-se a definição de um protocolo padrão de atuação das forças de segurança pública em manifestações, com base no princípio da não violência. O padrão de atuação deve incluir a garantia da proteção de jornalistas em serviço. Policiais e agentes de segurança pública devem ainda ser orientados a não apreender equipamentos (câmera, gravador, celular etc.) ou mídias de armazenamento de dados.

Também foi sugerido que o Ministério estabeleça Termo de Ajustamento de Conduta com as empresas de comunicação, prevendo o oferecimento de treinamento de segurança aos profissionais de comunicação, empregados ou colaboradores eventuais, em situação cotidiana e em coberturas de eventos específicos como protestos sociais, bem como equipamentos de proteção. A adesão das empresas a um Protocolo de Segurança dos Jornalistas vem sendo reivindicada pela FENAJ e pelos Sindicatos de Jornalistas e ganha reforço com a recomendação do GT.

Durante o 36º Congresso Nacional dos Jornalistas haverá um ato público no Memorial ao Menestrel Teotônio Vilela em homenagem às vítimas da ditadura.

 

Publicidade
Publicidade