O que Nizan Guanaes falou sobre o Festival de Cannes

08 de Julho de 2015

Em tempos de crise, ir a Cannes é investimento estratégico, que traz conhecimento e inspiração

Encontrar com Nizan Guanaes na fila dos convidados VIPs, esperando sua vez de entrar no Palais no último dia 27 de junho, foi uma enorme satisfação. Fazia tempo que não falava com ele. A última vez foi no V Congresso Brasileiro de Propaganda, em São Paulo, quando fiz uma entrevista com ele. Depois de falarmos sobre alguns assuntos ele perguntou onde eu andava... Ao ouvir que estou em Santa Catarina disse: temos uma agência lá, a Música, e me estendeu seu cartão de visitas. Naquele momento, pedi pra fotografá-lo ao lado de sua esposa Donata. Ao terminar o clique ele me sai com essa: "Você devia me fotografar com uma Leica, que deu ao Brasil o primeiro Grand Prix em Filme. Um orgulho pra todos nós". Para quem não sabe ou não se recorda, em 2008 houve um embate entre Nizan Guanaes e Fábio Fernandes no Maximídia, ambos defendendo uma posição própria sobre o negócio da propaganda que culminou com a publicação de artigos contundentes de ambos, chegando até a ofensas pessoais. E, para você entender porque eu recordei isso, a campanha da Leica evidenciada por Nizan na fila do Palais diante de dezenas de publicitários do mundo inteiro, é criação da agência F/Nazca cujo dono é Fábio Fernandes.

AcontecendoAqui reproduz a seguir um artigo de Nizan Guanaes, publicado esta semana em jornais de São Paulo e Rio Grande do Sul, onde ele retrata o ambiente do Cannes Lions. Sua agência África, dito por Sérgio Gordilho, sócio da agência, levou 14 profissionais para se inspirarem com as mentes mais brilhantes presentes do Festival.

 

  

Cannes é investimento

por Nizan Guanaes

A propaganda brasileira provou, mais uma vez, neste último festival Cannes Lions, que vai muito bem, obrigado. Conquistou 108 Leões e um inédito Grand Prix de Filme, o prêmio mais respeitado do festival, com um belíssimo comercial da Leica criado pela F/Nazca Saatchi & Saatchi.

O festival de Cannes hoje é obrigatório para qualquer pessoa que mexa com marketing. É uma aula com centenas de professores de altíssimo nível, com palestrantes que vão de Pharrell Williams a Al Gore e temas que vão de tudo sobre o novo mundo digital até o melhor uso da cor no marketing.

O que era um festival publicitário não deixou de ser "o" festival publicitário, mas foi mais longe. É um grande evento de conhecimento mundial. A palavra-chave é aprender. Quem tem coração de estudante aproveita Cannes para valer.

Todos esses 108 Leões são muito importantes, mas nunca podemos perder de vista que o principal objetivo da publicidade é ganhar mercado. Ela tem que ganhar dinheiro para o cliente, dinheiro para agência e até ganhar prêmios. Mas o prêmio é um meio, não um fim. Ninguém vive de prêmio. E a publicidade brasileira é relevante, porque ela não é só criativa, ela é eficaz.

Pensar em Cannes apenas como uma competição ou uma fogueira de vaidades é coisa do passado. Hoje, megaempresas de mídia, como Google, Facebook e Twitter, evangelizam os grandes publicitários de todas as partes do globo em eventos paralelos. As pessoas vão a Cannes muito mais para saber do que para ver. Não há investimento melhor para clientes e agências do que mandar seu pessoal para essa atualização anual e intensiva sobre tudo no mundo do marketing.

Trabalha-se muito em Cannes. É business o tempo todo disfarçado de praia. Você acorda às 7h da manhã e vai dormir exausto e tarde. O networking é o grande programa da noite de Cannes. As agências buscam os clientes e as empresas de mídia; as empresas de mídia buscam as agências e os clientes; e os profissionais da publicidade encontram oportunidades profissionais no mundo todo.

Graças à excelência criativa da nossa propaganda, que já se impõe também nas novas áreas digitais, os publicitários e os profissionais de marketing brasileiros são superdesejados e recrutados justamente em Cannes.

Em tempo de crise, pode parecer despesa desnecessária enviar o pessoal a Cannes. Não é. Numa hora dessas, é investimento estratégico, que traz conhecimento e inspiração.

Em Cannes, você se atualiza num mundo de novidades avassaladoras. Aprende a fazer mais e melhor com menos. É uma medida altamente proativa, porque, em uma semana, se aprende, num só lugar, o que está se fazendo no mundo todo hoje.

Phill Thomas, inglês discreto, empreendedor incansável, é o presidente executivo e lidera o festival como se fosse um iPhone, ano após ano, trazendo novidades. Por isso, Thomas, às vezes. foi acusado de jogar fora o legado do festival. Longe disso. Ele fez de Cannes o South by Southwest of France.

Então, vamos lá. Mais gente no ano que vem. E de todas as regiões do Brasil. Os custos podem ser bem menores do que o glamour do festival sugere. Com passagem e hotel econômicos, dá para mandar seu profissional ao futuro e trazê-lo de volta. Não precisa gastar com quarto de hotel, ele não vai ficar lá mesmo. O hotel só precisa ser bem-localizado, para chegar rápidamente às atividades. E depois, dormir exausto e acordar animado para, em vez de tomar banho de mar, tomar banho de conhecimento o dia e a noite toda.

Publicitário e presidente do Grupo ABC

Notícias Relacionadas