ARTIGO | Soft skills: a importância de recrutar funcionários com as habilidades corretas

26 de Outubro de 2021

por Ana Alice Limongi

 

Soft skills são habilidades comportamentais relacionadas a maneira como o profissional lida com o outro e consigo mesmo em diferentes situações. São competências subjetivas que diferenciam um profissional do outro, que fazem uma empresa investir em determinado profissional, contratá-lo ou desligá-lo. O ponto é que alguns comportamentos, quando bem demonstrados e analisados, sinalizam como será esse candidato e sua capacidade de liderança.

Essas aptidões relacionadas à personalidade de um profissional, como capacidade de comunicação ou trabalho em equipe são tão importantes quanto as hard skills no dia a dia de trabalho. E existe uma lacuna muito grande entre o que os líderes esperam dos funcionários e o que, de fato, eles entregam, e não estou falando das questões técnicas, mas sim comportamentais.

A inteligência emocional é um requisito primordial para o profissional da atualidade, a capacidade de reconhecer e avaliar os seus próprios sentimentos e os dos outros e ter desenvoltura para lidar bem com eles são alguns dos requisitos básicos dessa habilidade. Quem ainda não desenvolveu a inteligência emocional, é bom ficar atento, pois, segundo pesquisa realizada pelo PageGroup essa será a soft skill mais buscada no Brasil por recrutadores no pós-pandemia.

O estudo produzido apontou, ainda, que as habilidades que serão mais valorizadas pelas altas gestões no Brasil serão: - inteligência emocional (42,9%); - trabalho em equipe (38,4%) ; - comunicação assertiva (31,1%);

O mundo mudou e, com ele, o comportamento das pessoas, o que elas esperam e como lidam com esse novo cenário. Ser inteligente, ambicioso, saber usar tecnologia e provar que consegue executar o trabalho já não basta. É preciso saber lidar com pessoas. Dessa maneira é possível conquistar espaço e confiança para além do know how. Geralmente, as soft skills mais demandadas pelas empresas são a capacidade de reconhecer e lidar com as próprias emoções e com as emoções do outro. A capacidade de resposta do indivíduo ao se deparar com situações adversas ou ao ter que tomar uma decisão sob pressão, sabendo lidar com problemas de modo assertivo e se adaptar facilmente.

Outro ponto fundamental que as empresas buscam nos profissionais é a forma como se comunicam, pois, dependendo da maneira, pode-se incitar ou apaziguar conflitos. Além disso, essa comunicação precisa ser assertiva e compreensível. Confiança, atitude positiva, motivação, trabalho em equipe, organização e gestão do tempo, flexibilidade, também são habilidades pessoais procuradas pelos recrutadores. Mas, cada função exigirá um determinado conjunto de habilidades, bem como o setor e perfil da empresa.

Recentemente, o World Economic Forum, um dos maiores órgãos de pesquisas e relatórios sobre mercado, elencou quais são as top 10 soft skills mais valorizadas em 2021. Sabendo da importância de desenvolver as habilidades interpessoais e de quão essenciais essas skills são para o sucesso, tanto dos negócios quanto dos profissionais. São elas:

1- Resolução de problemas e tomada de decisões;
2- Pensamento estratégico;
3- Inovação;
4- Gestão de Pessoas;
5- Autocontrole;
6- Iniciativa;
7- Orientação para mercado;
8- Liderança de equipe;
9- Capacidade de negociação;
10- Flexibilidade;

A Neo, recentemente, adaptou as competências para a nova realidade que vivemos e o novo perfil que o mundo está assumindo. Para isso, engajamento, inovação, pensamento crítico, aprendizagem ativa e capacidade de execução são as novas soft skills exigidas. Nosso papel é tecer isso por meio de programas de desenvolvimento, da comunicação, na narrativa dos executivos, por meio da nossa missão, visão e valores, demonstrando o que é valorizado pela Neo. É preciso que o profissional conheça e entenda quais são as habilidades exigidas pela companhia, assim, ele saberá se vai conseguir se encaixar no perfil, se terá sucesso na função e se será reconhecido, possibilitando, assim o crescimento.

Ana Alice Limongi é diretora de Desenvolvimento Humano e Organizacional da Neo