Twitter impede atuação de robô checador de fatos na plataforma

04 de Agosto de 2021

Medida foi tomada na última terça-feira (3) após suspender a conta do bot

Embora nos últimos meses o Twitter tenha demonstrado estar ativo no combate à desinformação, ontem (3) a rede social baniu o acesso da Fátima - robô de checagem de fatos lançado em 2018 pela agência Aos Fatos - à API (Application Programming Interface) da plataforma por violação das regras de spam. A decisão impede o bot de detectar links com desinformação compartilhados pelos usuários, parte fundamental do seu trabalho.

 

 

Na última segunda-feira (2) o Twitter já havia suspendido o perfil de Fátima por cerca de 10 horas, alegando que a conta violava as regras de automação por usar "um aplicativo que menciona ou comenta, de forma duplicada, conteúdos relacionados a contas que não estão interagindo diretamente com o perfil." A medida foi revertida após contato da agência com a rede social. De acordo com Aos Fatos, tanto a suspensão quanto o banimento do acesso à API aconteceram sem comunicado prévio.

"A Fátima é reconhecida mundialmente como exemplo de combate a informações falsas por meio do uso de inteligência artificial. Em vez de apoiar, o Twitter decide inviabilizar sua atuação enquanto mentiras que ameaçam vidas multiplicam-se na plataforma. Juntamente com o descumprimento de suas políticas de combate à desinformação, a empresa facilita o trabalho de enganadores profissionais", afirma a diretora-executiva do Aos Fatos, Tai Nalon.

Conteúdos desinformativos - as chamadas "fake news" - têm sido compartilhados nas redes sociais de forma frequente em discursos como o antivacina, e até a última terça-feira a Fátima estava atuando para desmentir essas publicações. Em seus últimos tweets, o robô desmentia a informação que pesquisas japonesas encontraram nanopartículas de mRNA em pessoas vacinadas contra a Covid-19 com o imunizante da Pfizer. A checadora também apontou recentemente desinformações como a alegação de que vacinas criam novas variantes do coronavírus.

Notícias Relacionadas