Softplan se destaca no ranking das 50 legaltechs mais influentes do mundo

11 de Março de 2019

Ranking LegalTech500, da Planet Compliance, apontou as companhias de maior destaque em âmbito global, especializadas no desenvolvimento de soluções para a Justiça.

A Softplan, de Florianópolis, é a única brasileira no ranking das 50 empresas legaltechs mais influentes do mundo. O resultado foi divulgado pela Planet Compliance por meio do ranking LegalTech500. As legaltechs são empresas que desenvolvem tecnologias que contribuem com o ecossistema da Justiça. A avaliação é feita a partir de uma série de quesitos, como a influência em temas relacionados ao ecossistema da Justiça, a participação e a organização de eventos, o oferecimento de capacitações, a realização de ações com startups e o desenvolvimento de soluções inovadoras de tecnologia para a Justiça. Um dos indicadores de maior peso é o posicionamento das empresas em mídias sociais, compartilhando e disseminando conhecimento que contribui para o ecossistema da Justiça como um todo. No Brasil, a Softplan é líder em transformação digital, analytics e inteligência artificial para a Justiça.

Para Ilson Stabile, diretor-executivo da Softplan, ser uma das principais legaltechs no mundo ressalta a experiência da companhia na entrega de produtos e serviços aos seus clientes, atuais e futuros. “Ser a primeira empresa brasileira neste ranking mundial é um reconhecimento extremamente gratificante não só para nós, mas também para a Justiça brasileira, que avançou muito no uso de tecnologias nas últimas duas décadas. Isso reforça que a nossa atuação nos últimos 28 anos está no caminho certo, focando em desenvolver soluções de tecnologia que fazem a diferença na vida das pessoas e das organizações”, afirma.

O ranking é atualizado periodicamente pela Planet Compliance, plataforma internacional que publica análises e notícias sobre regulamentação e inovação de fintechs, legaltechs e regtechs. “Este reconhecimento veio num momento bastante importante, em que todo o mundo trabalha fortemente para dar visibilidade às atividades das legaltechs. Entre tantas ações voltadas ao ecossistema da Justiça, o desenvolvimento de tecnologias disruptivas, por exemplo, é fundamental para tornar a Justiça ainda mais acessível ao cidadão. É um resultado relevante para valorizar o segmento legal, que atua com tecnologia aplicada ao Direito”, reforça Marcos Florão, diretor de Inovação da Softplan.

 

Referência em tecnologia
Das quatro unidades de negócio da companhia, uma é dedicada à Justiça. Nela, são desenvolvidas soluções de tecnologia que otimizam a gestão de quem atua no ecossistema da Justiça, como magistrados, promotores, advogados, procuradores e servidores. Além disso, a tecnologia facilitar a conexão entre os operadores do Direito e os cidadãos. O Sistema de Automação da Justiça (SAJ) é uma das soluções desenvolvidas pela Softplan. A empresa foi uma das responsáveis por viabilizar a primeira onda da transformação digital da Justiça brasileira, há mais de uma década. O SAJ é adotado por Tribunais, Ministérios Públicos, Procuradorias e escritórios de advocacia, e está em seu sexto ciclo de evolução tecnológica, que acompanha as inovações da atualidade. Na atuação da Softplan também está o Lab da Justiça, o primeiro laboratório de ciência de dados aplicada à Justiça do Brasil. A partir de estudos detalhados do Lab da Justiça, a Softplan desenvolveu novas tecnologias baseadas em inteligência artificial, com análise preditiva e aprendizado de máquina, como o Convex Legal Analytics, e os Robôs Inteligentes.

 

Experiência em eventos e conteúdos para a área
A Softplan sedia eventos voltados para o ecossistema da Justiça. O Global Legal Hackathon, a maior maratona de programação do mundo voltada para a Justiça, é um deles. A competição teve sua segunda edição em fevereiro deste ano e ocorre simultaneamente em mais de 20 países. Em 2018, entre as 14 equipes que disputaram a final em Nova Iorque, uma era catarinense, vencedora do primeiro lugar na etapa de Florianópolis. A plataforma “Apresente-se” foi a única representante da América Latina na final mundial. Neste ano, o “e-Defensoria” foi o grande vencedor da etapa Florianópolis e segue para a semifinal global, em março, com a proposta de conectar digitalmente os cidadãos com a Defensoria Pública. Outro evento promovido pela Softplan é o ADV Conference, que está em sua segunda edição e neste ano ocorre nos dias 15 e 16 de agosto, em Florianópolis. O congresso, dedicado para advogados, apresenta uma série de conteúdos por meio de palestras para auxiliar a gestão, produtividade e inovação da rotina desses profissionais.