Exército americano desenvolve tecnologia de reconhecimento facial no escuro

19 de Abril de 2018

O laboratório de pesquisa do exército americano anunciou que seus pesquisadores desenvolveram uma técnica de inteligência artificial que produz a imagem de um rosto no escuro. A tecnologia funciona a partir de uma imagem térmica, o que pode levar, em tempo real, à biometria aprimorada e análise forense pós-missão em operações secretas noturnas.

Câmeras térmicas e sensores de infravermelho são ativamente implantadas em veículos aéres e terrestres, em torres de observação e pontos de verificação para fins de vigilância. Segundo o laboratório, a capacidade de realizar o reconhecimento automático de rosto à noite usando essas câmeras térmicas é benéfica para informar a um soldado que um indivíduo é alguém de interesse, como alguém que pode estar em uma lista de observação.

"Essa tecnologia permite a correspondência entre imagens faciais térmicas e bancos de dados de faces biométricas existentes / listas de observação que contêm apenas imagens de face visíveis", disse  Benjamin S. Riggan, um cientista pesquisador do laboratório. "A tecnologia oferece uma maneira de os humanos compararem visualmente imagens faciais visíveis e térmicas através da síntese de faces térmicas a visíveis."

Sob condições noturnas não há luz suficiente para uma câmera convencionar capturar imagens faciais para reconhecimento sem iluminação ativa ou como um flash ou holofote, o que apontaria a posição das tais câmeras de vigilância. Agora as câmeras térmicas são ideais para essas condições.

"Ao usar câmeras térmicas para capturar imagens faciais, o principal desafio é que a imagem térmica capturada deve ser comparada a uma lista de observação ou galeria que contenha apenas imagens visíveis convencionais de pessoas de interesse conhecidas", disse Riggan. "Portanto, o problema torna-se o que é chamado de reconhecimento facial de espectro cruzado ou heterogêneo. Nesse caso, a imagem de sonda facial adquirida em uma modalidade é comparada a um banco de dados de galerias adquirido usando uma modalidade de imagem diferente."

A pesquisa será estendida sob o patrocínio da Defense Forensics and Biometrics Agency para o desenvolvimento robusto da tecnologia de reconhecimento facial noturno. Saiba mais em army.mil/article/203901/army_develops_face_recognition_technology_that_works_in_the_dark