Publicidade
Empresas de T.I. adotam medidas para reduzir consumo de energia e geração de resíduos
06 de Fevereiro de 2024

Empresas de T.I. adotam medidas para reduzir consumo de energia e geração de resíduos

Especialista na área fala sobre ferramentas e metodologias para não aumentar o impacto ambiental de software

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

A crescente conscientização sobre a importância da sustentabilidade está levando as empresas de tecnologia a buscar maneiras de reduzir o impacto ambiental de seus produtos e serviços.

Gelson Curtinaz, CEO da Infra Tecnologia, explica que o setor da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) contribui para emissões de gases de efeito estufa, mesmo sua participação em comparação com outros setores ser relativamente menor, estimadas em torno de 1% a 2% ao total, as empresas buscam soluções para que estes números não aumentem.

Publicidade

“O impacto ambiental de software é principalmente causado pelo consumo de energia dos dispositivos eletrônicos, como computadores, smartphones e tablets. Além da geração de resíduos eletrônicos. Os servidores, que armazenam o software, contém componentes eletrônicos que são descartados quando o servidor é substituído. Esses componentes eletrônicos podem conter metais pesados e outros materiais tóxicos que contaminam o meio ambiente”, afirma o especialista.

As empresas podem adotar ferramentas e metodologias sustentáveis para ajudar a mitigar os impactos ambientais de software. Sendo algumas delas: o desenvolvimento sustentável desde o design e a codificação até o teste e a implantação; o uso de tecnologias mais eficientes, como computadores e servidores com baixo consumo de energia; a reciclagem e reutilização materiais de hardware e software.

“A adoção dessas ferramentas e metodologias pode trazer benefícios significativos para as empresas”, diz Gelson. “As empresas podem economizar dinheiro em custos de energia, resíduos e manutenção. Além disso, podem melhorar sua reputação como empresas sustentáveis e atrair e reter talentos que valorizam a sustentabilidade”, conclui.

Publicidade
Publicidade