Dados na nuvem agilizam o controle de equipes externas

05 de Outubro de 2018

De acordo com a Auvo, gestão web traz acessibilidade, mobilidade e, principalmente, informações em tempo real para rápida tomada de decisão

Um estudo da Cisco Global Cloud Index aponta que o tráfego de data center em nuvem deve alcançar 19,5 zettabytes (ZB) por ano até 2021. Este volume deve ser impulsionado tanto por aplicativos de consumo quanto pelos diversos tipos de negócio que investem de maneira crescente neste modelo para a gestão de informações, documentos e arquivos. O monitoramento de equipes de campo é uma das áreas onde benefícios como acessibilidade, mobilidade, segurança e informações em tempo real ficam mais evidentes.

Não fosse a nuvem, as empresas de Telecom ainda teriam limitações para qualquer alteração em ordem de serviço. O funcionário programado para dois atendimentos na rua, por exemplo, precisaria voltar à base para novos encaminhamentos. Não seria possível o check-in e check-out automático em visitas para uma equipe de campo ou acompanhar a localização exata do time que está fora prestando serviços de manutenção.

Gabriel Rodrigues, especialista em monitoramento de equipes externas e CEO da Auvo, ferramenta que automatiza as principais atividades deste processo, separa três importantes aspectos da gestão web que garantem maior assertividade, economia de tempo e de custos para empresas de diferentes setores:

1 - Segurança

Com o avanço da tecnologia, as técnicas de roubo de dados estão cada vez mais eficientes. Por isso é muito arriscado deixar informações em computadores e dispositivos físicos. Hoje, existem chaves criptográficas capazes de gerar algoritmos de decodificação. Sistemas de equipes externas como o Auvo utilizam certificados de segurança SSL (Secure Socket Layer), que é um padrão global criado em 1994.

2 - Agilidade

Trabalhar na rua é estar exposto às adversidades como trânsito, problemas mecânicos com o veículo, entre outros imprevistos. Um sistema de gerenciamento de equipe externa na nuvem traz maior agilidade, por exemplo, quando uma alteração de rota do colaborador se faz necessária em razão do tempo de trânsito, prioridade e distância entre tarefas, bem como o reagendamento de visitas a clientes, envio de informações urgentes para a sede da empresa. E com o Auvo, isso tudo é realizado com apenas um clique.

3 - Escalabilidade

Esta é outra grande vantagem para o monitoramento de equipes externas. A capacidade de adequação dos processos de acordo com as demandas dos serviços. Significa, também, a possibilidade de aumento de faturamento sem elevação de custos, já que as soluções adotadas podem ser modificadas a qualquer momento.

“Além destes atributos, a nuvem torna mais factível a superação de desafios de mercado. A tecnologia se revela barata na comparação com outros formatos, além de trazer impactos positivos reais em menor espaço de tempo”, comenta Guilherme Rodrigues.

Para as empresas que ainda não utilizam sistemas nas nuvens, fica o alerta do especialista. “Muitas companhias não têm conhecimento sobre as vantagens e facilidades da nuvem. Em termos de preço, utilizar esses sistemas é mais barato do que adquirir licenças de software, que são caríssimas. O nosso modelo de negócio de software SaaS é um atrativo para a gestão na nuvem de equipes de campo, onde o cliente paga por um plano de assinatura, não tem fidelidade e possui suporte para qualquer eventualidade”, finaliza o executivo.  

Passado, presente e futuro

Pouca gente sabe, mas a sofisticação da nuvem conhecida hoje é um conceito que começou a ser discutido em 1961 como “Utility Computing”, apresentado pelo americano John McCarthy, conhecido como “pai da inteligência artificial”. O termo “computação em nuvem” só começou a ser utilizado em 1997 com o aumento do acesso à tecnologia. A inspiração vem do símbolo da internet e representa algo que está no ar.

Dados divulgados no início deste ano pela Brasscom mostram que o segmento de nuvem foi um dos que mais cresceu no país em 2017, com 51,7% e receita de R$ 4,4 bilhões. Ainda de acordo com o estudo Cisco Global, 94% das cargas de trabalho e instâncias de computação serão processadas pelos data centers em nuvem e apenas 6% pelos tradicionais até 2021. Os sistemas de gestão, colaboração, análise e outras aplicações empresariais representam as principais áreas de crescimento.