Claro dá início aos serviços 5G no Brasil

08 de Julho de 2020

Operadora inicia implantação da tecnologia 5G, utilizando recurso de compartilhamento de frequências, em parceria com a Ericsson

A Claro dá início aos serviços de 5G no Brasil a partir da próxima semana, quando São Paulo e Rio de Janeiro começam a contar com a rede 5G DSS. Isso será possível com o recurso de compartilhamento de frequências, que permite a utilização do espectro atual já alocado. A nova tecnologia de rede móvel começa a ser implantada de forma pioneira no país pela operadora, em parceria com a Ericsson. Até setembro, a Claro terá cobertura 5G DSS nas regiões com maior demanda de tráfego, nas respectivas cidades.

Com a tecnologia DSS (Dynamic Spectrum Sharing, ou Compartilhamento Dinâmico de Espectro), é possível compartilhar as frequências disponíveis hoje, já alocadas ao Serviço Móvel Pessoal (SMP). Assim a rede da Claro passa a distribuir recursos dinamicamente entre os smartphones atuais, que operam até a quarta geração, e os novos, que sejam compatíveis com a nova rede 5G DSS. Clientes que adquirirem smartphones aptos já poderão ter as primeiras experiências com a tecnologia 5G, com conexões até 12 vezes mais velozes que o 4G convencional.

O anúncio da primeira rede 5G do país foi feito semana passada, de forma simultânea ao pré-lançamento do primeiro smartphone 5G no país, o Motorola Edge. O aparelho, que chega às lojas a partir do dia 14 de julho, conta com a tecnologia 5G baseada na plataforma móvel Qualcomm Snapdragon™ 765 e modem X52, que suporta o recurso DSS.

Caminho para a expansão do 5G

Além das regiões que serão atendidas no plano inicial de implantação, a cobertura do 5G DSS da Claro crescerá gradativamente nos próximos anos dentro do projeto de modernização e expansão de capacidade de rede móvel da operadora. Todos os investimentos feitos para implantar o 5G DSS serão automaticamente aceleradores da implantação definitiva do 5G, com a posterior adição do espectro de 3,5 GHz e das faixas de onda milimétricas. O investimento em aquisição de um smartphone 5G agora também está protegido, uma vez que o equipamento suportará também as novas frequências.

O espectro adicional, a ser leiloado pela Anatel, possibilitará expandir a capacidade de transmissão da rede 5G. Por utilizar frequências mais altas que as atuais, as novas faixas de espectro alocadas para o 5G exigirão a implantação de uma grande quantidade de antenas, para garantir cobertura e capacidade.

Outra evolução necessária, nesse caso para redução da latência, será a virtualização de funções de rede, com a descentralização do core para datacenters mais próximos dos clientes, tecnologia conhecida como edge computing. Esta é outra atividade atualmente em andamento no plano de modernização da rede da Claro.

No futuro, com mais espectro, mais antenas e uma nova topologia de rede, o 5G será veículo de uma grande transformação, conectando pessoas e sensores por meio de uma rede móvel de altíssima capacidade e baixa latência, capaz de automatizar e controlar as mais diversas atividades da sociedade.

Notícias Relacionadas