ARTIGO | O papel da Inteligência Artificial na abordagem da crise climática
19 de Março de 2024

ARTIGO | O papel da Inteligência Artificial na abordagem da crise climática

Ferramenta permite previsões mais assertivas sobre as alterações no ambiente

Twitter Whatsapp Facebook

Por Marcos Pinotti*

As mudanças climáticas têm sido um desafio para especialistas que buscam fórmulas de mitigação desta emergência global. Cumprir a meta de manter o aquecimento do planeta abaixo do limite de 1,5°C irá requerer esforços ainda mais acelerados e vultosos. Neste sentido, a Inteligência Artificial (IA) pode ser uma grande aliada.

Publicidade

Os conjuntos de dados climáticos são enormes e levam um tempo significativo para serem coletados, analisados ​​e usados ​​nas tomadas de decisões e implementação de mudanças políticas reais. Utilizar a IA para ter em conta elementos das alterações climáticas, que estão em constante evolução, permite previsões mais assertivas sobre as alterações no ambiente, ajudando no desenvolvimento de estratégias de mitigação.

É claro, que a IA não irá resolver o problema sozinha, mas há muitas maneiras pelas quais ela pode contribuir, como por exemplo, aumentando a eficiência energética ou reduzindo as emissões provenientes dos transportes, da agricultura e da indústria.

Aviões, trens, automóveis e navios constituem uma das indústrias mais poluentes do mundo. No entanto, a IA pode tornar o setor mais limpo e seguro. Os veículos habilitados para a tecnologia podem minimizar o uso de combustíveis com rotas mais eficientes. Além disso, os elétricos emitem muito menos gases do efeito estufa. Já os carros autônomos, são a promessa de redução nas emissões de dióxido de carbono em 50% ou mais em todo o mundo até 2050, conforme estudo da Universidade da Califórnia.

Outro exemplo é a agricultura inteligente. Com a IA, os produtores podem reduzir esses resíduos irrigando as culturas de forma mais eficiente, uma melhoria crítica, uma vez que as alterações climáticas agravam a escassez global de água. Além disso, ela ajuda a compreender melhor a saúde do solo, monitorar o vigor das culturas e prever os rendimentos, permitindo melhor adaptação às condições em mudança e aumentar a segurança alimentar.

A IA também ajuda a acelerar a transição energética. As redes inteligentes podem equilibrar a oferta e a procura, facilitando a integração das energias renováveis ​​nos sistemas e reduzindo a dependência dos combustíveis fósseis. Como as empresas podem monitorar o fluxo de energia em tempo real, é possível diminuir o consumo durante os horários de pico, resultando em economia financeira para os consumidores e um planeta mais verde para todos.

Na conservação ambiental, a IA pode analisar imagens de satélite muito mais rapidamente do que os humanos, e este poder de processamento expandido pode fornecer conclusões importantes, como sinalizar o aumento de áreas de desmatamento. Com mais acesso à informação, os governos podem monitorar mais facilmente os esforços de proteção ambiental.

A utilização da IA ​​oferece uma oportunidade para fazer mudanças significativas neste momento crítico, seja através da mitigação, adaptação e resiliência ou apoiando os fundamentos dos esforços climáticos globais. É importante destacar que colaboração entre governos, o setor privado e a sociedade civil serão essenciais para aproveitar o poder da tecnologia.

*Marcos Pinotti é diretor de engajamento da Kron Digital.

Foto: Freepik

Publicidade