Campanha da Anistia Internacional pede a proibição do uso de reconhecimento facial em Nova York

28 de Janeiro de 2021

ONG aponta o comportamento racista de policiais que usam a ferramenta para monitorar a população

Créditos: reprodução Anistia Internacional

A Anisitia Internacional - organização sem fins lucrativos que luta na defesa dos direitos humanos - lançou recentemente mais uma campanha global. "Ban the Scan" defende a proibição do uso da tecnologia de reconhecimento facial por parte das autoridades policiais em espaços públicos da cidade de Nova York.

Em vídeo, a ONG mostra uma série de exemplos que em os softwares amplificam atitudes discriminatórias, principalmente racistas, ao observar que a ferramenta de monitoramento apresenta falhas em 95% das vezes, ameaçando também a privacidade da população e seu direito de liberdade de expressão.

O mini-documentário lembra o caso de Derrick Ingram, ativista negro e cofundador da Warriors of the Garden (coletivo que advoga protestos não-violentos), que foi rastreado e teve seu apartamento arrombado e vasculhado por policiais - sem apresentar mandado de busca e apreensão - ao ser acusado de agredir um policial durante um protesto na cidade.

Além do filme, a campanha também conta com um hotsite onde os cidadãos de Nova York podem assinar uma petição pedindo o banimento da tecnologia da cidade, e está elaborando um mapa colaborativo que mostra a localização de todas as câmaras de reconhecimento facial instaladas no município, incentivando os protestantes a evitarem tais áreas.

 

Confira o vídeo:
 

Notícias Relacionadas