Ranking mostra as cem marcas mais conscientes do mundo

19 de Maio de 2021

Pesquisa levanta as marcas que mais se destacaram com a mudança de comportamento dos consumidores na pandemia

No momento em que os consumidores demandam cada vez mais marcas que agem com mais responsabilidade nas questões éticas, sustentáveis, culturais, morais e sociais, a consultoria de marca Wolff Olins and Hall & Partners cirou a lista "The Conscious Brands 100", no português: as cem marcas mais conscientes do mundo.

"Há uma necessidade crescente e oportunidade para as marcas mostrarem liderança e trazer consciência para sua marca e estratégias de marketing. E, ao fazê-lo, ajudam a criar um ciclo virtuoso de fazer o bem entre negócios, marcas e consumidores", disse o CEO global da Hall and Partners, Vanella Jackson. "O desafio contínuo para as marcas é conectar-se ao seu papel único e contribuição como um negócio, claramente ligado ao seu DNA. E fazendo isso de forma consistente e autêntica. Qualquer outra coisa arrisca o tokenismo. Acertando isso, significa ficar ainda mais perto dos clientes, à medida que as empresas começam a se reconstruir", destacou.

A lista pontua as principais marcas do mundo de acordo com 6 critérios-chave: empatia, reforma, multissensorial, coletivismo e moralidade, através de uma pesquisa global com 9 mil consumidores que classificaram 223 marcas no Reino Unido, EUA e China.

A Microsoft teve destaque pela importância do seu papel na vida das pessoas, ao permitir que os trabalhadores continuassem seus papéis com segurança. Durante a pandemia, Microsoft implementou tecnologia para ajudar àqueles na linha de frente de pesquisa sobre COVID-19 e, só em 2020, doou US$ 1,9 bilhão para organizações sem fins lucrativos, quase US$ 4 bilhões para empresas de diversos setores e reduziu sua pegada de carbono em 21 milhões de toneladas métricas de CO2e.

Headspace foi avaliado altamente por seu foco em melhorar a saúde e a felicidade através da meditação e da atenção plena; YouTube por usar storytelling e vídeo para educar as pessoas sobre sustentabilidade, Pfizer por seu pioneirismo na criação da vacina contra a Covid-19, Google pelo uso da tecnologia para ajudar as pessoas a fazer mais pelo planeta; e Netflix por sua histórias e contribuição para a cultura e diversidade.

Marcas que surpreenderam com o desempenho ruim no índice incluíram o Twitter e Facebook, ambos os quais pontuaram mal no desempenho moral por serem consideradas marcas 'guiadas por crenças fortes'; H&M, apesar de sua própria Unidade consciente e Deliveroo, que mesmo que tenha visto um aumento no uso durante a pandemia não conseguiu fazer o Reino Unido top 100, pontuando mal para 'inspira um senso de comunidade" e "fala pelo que é certo e errado no mundo".

As categorias que tiveram melhor desempenho foram tecnologia, entretenimento e saúde física e mental. Enquanto isso, categorias de baixo desempenho foram as companhias aéreas; mobilidade; moda; luxo; álcool e finanças. Marcas que aderiram à tendência nessas categorias incluía Uniqlo, Levi's e Patagônia na moda e Tesla em mobilidade.

Localmente, nos EUA, Glossier ficou em segundo lugar na lista, com a Allianz também desempenhando bem em 10º; no Reino Unido, a BBC ficou em 4º lugar, com Oatly em 8º, Adidas com 10º e Tesco em 13º; e, na China, a marca de carne à base de plantas Beyond Meat ficou em 10º lugar.

O relatório demonstra que as marcas podem rapidamente construir fama global e relevância se eles fazem isso da maneira certa, como os artilheiros Headspace, Oatly, Glossier, Beyond Carne, e Tesla, que ficou em 17º lugar globalmente. O relatório mostra ainda que marcas conscientes tomam medidas em todos os aspectos do negócio; conduzem a ação interna e externamente; e têm autêntica 'consciência' em sua ADN.

"Não há dúvida de que 2020 marcou uma mudança dramática no que valorizamos e no que é essencial para nós como consumidores. Sem surpresa, são as marcas que nos ajudaram a permanecer conectados e saudáveis ou manter tédio na baía que passamos a confiar e valorizar mais. Embora o sucesso de uma marca como Headspace indo globalmente mainstream aponta para a ascensão de um marca e consumidor mais conscientes", afirma a CEO global da Wolff Olins, Sairah Ashman. "Também é inspirador ver a rapidez com que marcas relativamente jovens como Glossier, Oatly e a Beyond Meat conquistaram os consumidores em um nível mais local. E ele vai certamente ser interessante para ver se as grandes marcas farmacêuticas podem sustentar a "Covid bump" que eles estão experimentando atualmente", completou a executiva.

 

Confira o ranking completo das cem marcas mais conscientes do mundo:

Notícias Relacionadas