Parceiro histórico das agências banaliza a qualidade do trabalho delas

13 de Março de 2019

Preço, antes da qualidade...

Um dos grupos de comunicação mais importantes da Região Sul, historicamente parceiro das agências de propaganda,  que sempre zelou pela boa qualidade da comunicação de suas marcas e valorizou o bom trabalho das agências, está dando um exemplo ruim ao mercado com o estilo de concorrência que abriu nesta semana. No lugar de selecionar duas ou três agências e realizar uma concorrência entre elas, abriu um leilão como se estivesse cotando a compra de guardanapos, tijolos, papel higiênico...

O AcontecendoAqui teve acesso ao "convite" enviado ao mercado e que está gerando várias reações. Vejam parte do convite e a abordagem:
"Prezada agência,
Solicito cotação para a criação de campanha de um projeto multimídia xxxxxxx envolvendo os meios 1, 2, 3, 4 e 5. 
As informações para nortear a criação do orçamento seguem abaixo:
seguem 4 linhas com a orientação

Observação: Para a produção de vídeos e spots, será contratada uma produtora.
Para participar da cotação, solicito que o orçamento seja enviado até o dia 20/03."

É do conhecimento geral que tudo mudou no mundo da comunicação. Nada e ninguém escapou da disrupção. Em  nossa região a situação também é séria e algumas agências têm sido obrigadas a fazer concessões que até pouco tempo eram impensadas, para continuar ativas. Até quando? Outras, as que conseguiram encontrar um modelo de negócio adequado a este momento, estão resistindo a essa pressão pelo "menor preço e a qualidade eu vejo depois".

Ao se verificarem atitudes como essa que está ocorrendo em Santa Catarina, surge uma enorme interrogação? O que estaria levando empresas a diminuirem o sarrafo para a qualidade da sua comunicação? Principalmente por parte de empresas longevas, competentes, admiradas e que até então ostentam o titulo Top of Mind em suas categorias. Estariam elas também sendo cotadas pela mesma forma?