Out of Home é fundamental para o sucesso das marcas

23 de Fevereiro de 2018

As marcas bem sucedidas alocam 13% de seus orçamentos de mídia para publicidade "out of home", enquanto a participação do canal na propagação de anúncios globais permaneceu estável na última década. O relatório de Tendências de anúncios globais de fevereiro, que funciona a partir de dados de canais de mídia em 96 países e resultados detalhados de 12 mercados de anúncios-chave, também mostra que os consumidores de OOH mais pesados ​​eram campanhas governamentais e sem fins lucrativos, que comprometeram uma média de 26% do gasto total orçado . As marcas de bebidas alcoólicas (16% do orçamento) e marcas de varejo (14%) também estavam entre os principais investidores.

Os dados mostram que o custo por mil (CPM) para outdoors é rotineiramente abaixo da média de todas as mídias, o que ajuda a explicar por que as campanhas bem-sucedidas nas faixas baixas (até $ 500k) e médias ($ 500k a US $ 10 milhões) são as que alocar as proporções mais elevadas para fora de casa. Os dados verificados mais recentes mostram que o anúncio de OOH totalizou US $ 31 bilhões em 2016, uma participação de 5,8% no total global. As estimativas preliminares para 2017 colocam gastos em aproximadamente o mesmo nível. Excluindo pesquisa, classificação e outros gastos, o OOH conta com 8% do mercado global de anúncios gráficos.

O "digital" está crescendo rapidamente no setor. Os dados mostram que a participação da digital no gasto total de publicidade global fora de casa atingiu 34,8% em 2017. Em 2021, a participação da digital deverá aumentar para 45%. Explicando os números, o Editor de Dados da WARC, James McDonald disse: "Out of home é um elemento básico da indústria, atraindo uma parcela consistente dos orçamentos das marcas bem-sucedidas no longo prazo. O canal oferece acesso acessível com o CPM rotineiramente abaixo da média da mídia.

"O Out of home está bem colocado para o futuro avanço com o aumento da penetração digital, oferecendo incontáveis possibilidade criativas, apoiadas por dados "ricos" sobre os públicos." No entanto, sua análise descobriu que as marcas devem seguir com cuidado na integração dessas novas tecnologias para fins de marketing. Uma recente pesquisa da WARC e da Toluna no Reino Unido encontrou que 65,8% dos compradores estão abertos à aplicação do reconhecimento facial na loja para produtos e serviços, mas a maioria (65,2%) não encontra a idéia de sua aplicação para mensagens personalizadas atraentes. "A nova tecnologia, como o reconhecimento facial, está sendo adaptada para melhorar a experiência dos compradores, mas os anunciantes precisam atender às preocupações dos consumidores".

Oriundo da Warc com tradução de Emilio Cerri, MarketAll