Impactos emocionais gerados pela pandemia são evidentes, segundo pesquisa da Leo Burnett

26 de Maio de 2020

Levantamento ouviu mil pessoas de diferentes regiões do país

Foto de Getúlio Moraes no Unsplash

 

A Leo Burnett Tailor Made apresentou na última semana um estudo que mostra como as pessoas estão sendo afetadas emocionalmente pelo isolamento social e pela pandemia.

A pesquisa, encomendada junto ao instituto MindMiners, ouviu mil pessoas das regiões Sudeste (48%), Sul (15%), Nordeste (23%), Centro-Oeste (8%) e Norte (6%). Foram ouvidos mulheres (51,6%) e homens (48,4%), a partir de 18 anos, das classes A (15%), B (40%), C (40,5%) e DE (4,5%). Segundo o portal Propmark, o objetivo da ação é entender os impactos desta crise nos sentimentos, hábitos e comportamentos das pessoas.

O levantamento revela que os impactos emocionais gerados por este período são evidentes e estão presentes na maioria dos entrevistados:

  • 55% estão dormindo bem mais para manter a calma); 
  • 50% estão tendo menos contato com as pessoas que amam, mesmo com os recursos das redes sociais; no entanto;
  • 60% afirmaram ter aumentado suas atividades nas redes sociais;
  • 60% estão buscando na comida uma forma de ter calma e relaxamento.

As mulheres têm se sentido mais exigidas sofrendo um impacto maior: 65% das mulheres se sentem mais sobrecarregadas, contra 51% dos homens respondentes; 77% das mulheres revelam estar ainda mais dedicadas às tarefas domésticas; e 55% do público feminino está cozinhando mais.

Além disso, o relatório mostra que 58% dos entrevistados estão se sentindo mais sobrecarregados, pois não conseguem relaxar; 80% acreditam que a pandemia mudará para sempre o mundo em que vivemos.

Para cada 10 questionados, ao menos sete definem a situação com adjetivos negativos. O emoji mais relacionado ao momento é o da angústia/tensão (30%), seguido pelo da reflexão (21%). Os principais medos são contaminar-se (55,10%), muita gente morrer (52,40%), a economia não se estabilizar (52,30%) e situação não voltar ao normal (45,90%).

Notícias Relacionadas