Ambev lança o movimento #OrgulhoResiste

28 de Junho de 2021

Para cada relato de resistência, R$1 será doado para ONGs que apoiam a comunidade LGBTQIA+

O movimento #OrgulhoResiste, lançado pela Ambev no mês do orgulho LGBTQIA+, projeta a resistência da comunidade ao longo das décadas e incentiva pessoas a compartilharem suas histórias de resistência para apoiar projetos destinados à população LGBTQIA+ em situação de vulnerabilidade. 

A cada história de orgulho e resistência compartilhada nas redes sociais com a #OrgulhoResiste, R$1 será doado para ONGs que trabalham com projetos de retificação de nome, educação, empregabilidade, acolhimento e combate à violência de pessoas LGBTQIA+, como Casa 1, Poupatrans, Casa Neon Cunha, Todxs, Acolhe LGBT+ e All Out. 

Nas redes sociais, a marca expandiu a narrativa do movimento com a ajuda de embaixadores da comunidade LGBTQIA+ que seguem convidando o público a também compartilhar suas histórias de resistência.

“Há anos nós apoiamos a causa LGBTQIA+ mudando estruturalmente políticas internas dentro da Ambev e, também, apoiando ONGs que fazem esse trabalho sociedade. O movimento #OrgulhoResiste quer dar voz e apoio a essa resistência de anos da comunidade LGBTQIA+. Precisamos e vamos continuar nos posicionando a favor de causas como essa que levantam a bandeira do respeito, da união, da empatia, e da igualdade de direitos. Se depender da Ambev, o orgulho continuará resistindo”, afirma Alexandre Costa, Diretor de Marketing Institucional da Ambev.

 

Filme #Orgulho Resiste 
Além dessa ação, a Ambev também lançou domingo (27) um filme produzido a partir de uma linha do tempo que narra os principais protestos e movimentos de luta pelos direitos LGBTQIA+ no mundo e no Brasil. O conteúdo retrata o histórico de resistência que teve seu início marcado pela Revolta de Stonewall, ocorrida em Nova York, em 28 de junho, e narra os principais acontecimentos LGBTQIA+ no Brasil, destacando fatos como o protesto realizado no Ferro’s Bar, em São Paulo, em 1983; a luta contra a epidemia da Aids, em 1992, e a realização da primeira Parada do Orgulho Gay, em São Paulo, em 1997.

Em contraste com as conquistas, o filme chega a 2021 fazendo um alerta sobre projetos de lei que pretendem restringir a participação de pessoas LGBTQIA+ na publicidade, o aumento de casos de LGBTfobia, e o lamentável dado de que a cada 19 horas, 1 LGBTQIA+ é morto no Brasil.

Em São Paulo, um mural móvel com 30m², produzido com três mil latas de alumínio, está colorindo pontos emblemáticos da capital. Hoje, a instalação assinada pela artista trans, Rosália Surreal, está posicionada em frente ao Teatro Municipal, na região da Praça Ramos de Azevedo. No domingo (27), o mural esteve na Praça Roosevelt, região central da cidade e, no sábado (26), na Praça do ciclista, na região da Av. Paulista. Os locais foram escolhidos por representarem espaços de resistência e ocupação da comunidade LGBTQIA+ na cidade.

O movimento é mais uma ação da Ambev em prol da comunidade. Desde 2016 a companhia aderiu ao Fórum de Empresas e Direitos LGBTQIA+ e criou o grupo de funcionários LAGER – Lesbian & Gay & Everyone Respected – destinado a propor e debater políticas internas de respeito e inclusão.

 

 

Notícias Relacionadas