Ação de ONG mostra que ditadores podem doar sangue, homossexuais não

06 de Julho de 2016

Falar sobre doação de sangue no Brasil é um pouco contraditório. Ao mesmo tempo em que os bancos anseiam por doações, a portaria 2712 é mantida pelo Ministério da Saúde e impedindo que homens que mantiveram relações com outros homens no período de 1 ano, mesmo que de forma segura, sejam doadores. 

No primeiro semestre deste ano, uma campanha da All Out, movimento global de defesa dos direitos LGBT, chamou a atenção para os cerca de 18 milhões de litros de sangue que o Brasil desperdiça ao ano por puro preconceito (relembre aqui).

Agora, a ONG Bandeiras Brancas, movimento que cria ações de comunicação em prol da paz, também denuncia o parágrafo considerado preconceituoso da Portaria do Ministério da Saúde em busca de criminalizar os hemocentros que não aceitarem o sangue de homossexuais que sempre mantiveram relações seguras.

Para que o projeto alcance 20 mil assinaturas e possa ser encaminhado à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, foi criado um vídeo de impacto, mostrando que de acordo com tal parágrafo, o comportamento agressivo de diversos ditadores se enquadraria para doação de sangue, enquanto o dos homossexuais, por puro preconceito, não.

O Brasil desperdiça cerca 18 milhões de litros de sangue ao ano por preconceito. Em 2014, apenas 1,8% da população brasileira doou 3,7 milhões de bolsas. O ideal da ONU é que 3 a 5% da população de um país seja doadora.

Confira: