2021: Cenários, Tendências, Insights | por Edu Borges, AskForTheMoon

18 de Dezembro de 2020

Adaptáveis, mutáveis, flexíveis? Não, não estou falando de vírus, estou falando de pessoas, NÓS.

 

A cada crise, guerra, vírus, catástrofe, saímos melhores, com novas invenções, produtos, serviços, aprendizado e atitudes que revolucionam nossa forma de viver. Não será desta vez que o mundo irá “parar”, estamos em franco desenvolvimento e em fase de testes. Como disse Charles Darwin “Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente. Quem sobrevive é o mais disposto à mudança”.

Agora em dezembro, o lançamento do novo filme da Mulher Maravilha, intitulado Mulher-Maravilha 1984, foi a prova disso. Foi anunciado recentemente que será lançado nos cinemas e no streaming pela HBO Max nos EUA. O que nos diz muito sobre mudança, pois a tática de lançar nos cinemas e no streaming ao mesmo tempo foi aplicada pela produtora como uma maneira de contornar o número de cinemas fechados no país, que chega a 50%. 

E a pergunta que fica: os cinemas vão acabar? Sim e Não, assim como tudo, terá que se reinventar, se adaptar, como foi com o táxi, o hotel, o jornal, a tv, e pra não ser diferente: a propaganda e tantas outras profissões. A CCXP, o maior evento GEEK Mundial e no Brasil, aconteceu, e  foi realizada 100% online. Quem quiser saber e ouvir mais, pode dar um pulo no instagram.com/marioluizcbarroso, e ouvir a entrevista feita ontem com o Ivan Costa, Organizador do evento.

Novos serviços e ferramentas ganharam espaço, surgiram novas necessidades no currículo, assim como o uso de máscara, álcool gel e distanciamento social, além do conhecimento, hoje, um bom computador que execute a suas funções descritas e uma boa e rápida internet são tópicos de exigência nos vastos e complexos CVs. 

Reuniões longas e infundadas caíram em desuso, o e-mail voltou a ser umas das ferramentas mais usadas, redes sociais, apps, streaming, editores de vídeo, nuvem, HDs cada vez mais potentes, e por último: Bem-vindo ao mundo das LIVES, é a necessidade iminente de uma aceleração tecnológica.

2021 promete mais mudanças, a principal delas é: respeito com o próximo, precisamos ser mais conscientes, menos consumo de bens e mais em serviços, viver e compartilhar experiências. 

O próximo ano pede inspiração e a tendência é o otimismo. Devemos repensar o significado do confinamento e distanciamento. O foco é a saúde e o bem-estar, tanto físico como digital. As empresas devem se aproximar mais ainda das pessoas, pois em tempos de incertezas, tudo fica frágil e a fidelização será através da empatia. A mudança de hábito já está em prática e tende a ser cada vez mais crescente.

O maior desafio é (e será), a busca pelo equilíbrio entre um trabalho e as tantas tarefas domésticas e familiares. Você escolhe: o passeio com o dog, o desenho animado com filho ou até mesmo o novo episódio da sua série favorita que já está disponível no streaming, o tempo é seu. 

O Home office da necessidade e facilidade do novo veio pra ficar, mas como tudo, deve ter o seu equilíbrio, agências que ainda madrugam, são desorganizadas. 

Para sair da crise, empresas com custos mais reduzidos e melhor distribuição de renda entre os colaboradores, este é o principal dever dos empregadores de todos os tamanhos e principalmente os grandes do mundo corporativo. 

Se quisermos um mundo melhor, esta é a hora, e esta será a grande vantagem competitiva, quem souber tirar proveito disso, sairá na frente. Esqueça os modelos antigos, pense no novo, no diferente, e no próximo. Como diria um bom Mandaloriano: This is the Way! 

Edu Borges - Criativo em Home Office pela AskForTheMoon

Notícias Relacionadas