ARTIGO | Whats: entre informações úteis e falsas

23 de Fevereiro de 2018

 

por João Paulo Borges*

 

Nunca na história deste país as informações se espalharam tão rapidamente. Em tempo de redes sociais em instantes uma imagem ou um vídeo de algum acontecimento surpreendente chega em todos os cantos do Brasil. Muitas vezes, o que é compartilhado não é verdade, como aconteceu recentemente em dias de forte chuva em Santa Catarina ou nesta semana com as notícias de possíveis arrastões no centro da capital catarinense. 

A maioria dos moradores da Grande Florianópolis deve ter recebido ou visto a foto do suposto jacaré que estaria na entrada de um shopping na capital ou os áudios de "cidadãos" relatando invasão no TICEN. Os conteúdos assustadores espalharam-se como rastilho de pólvora. Poucos preocuparam-se em checar a informação antes de compartilhar. É o que acontece com frequência. No caso específico do réptil, tratava-se de uma imagem no Texas, nos Estados Unidos, em julho de 2017.

Obviamente, nem só de notícias falsas sobrevivem os usuários do Whats. Muitas outras informações úteis propagaram-se em dias de tempestade. É o caso das listas de telefones de emergência. Enfim, cito estes exemplos recentes para propor uma reflexão sobre como você e, principalmente, seu negócio, órgão, entidade ou clientes usam o WhatsApp? Que tal utilizar o aplicativo para ser assertivo na comunicação?

Adianto: a criação de grupos não é o caminho para se comunicar com um universo de 120 milhões de brasileiros que utilizam a ferramenta. Produza conteúdo relevante e utilize um número institucional, corporativo ou empresarial especificamente para interação com pessoas espontaneamente cadastradas. Sugiro isso com base em cases que acompanho nos últimos anos em Santa Catarina e a partir da experiência de ter trabalhado na criação de dois canais pelo WhatsApp.

Antes de criar um grupo, pense bem! Você pode investir seu tempo planejando a criação e a divulgação de um canal oficial pelo WhatsApp. Garanto: com um trabalho bem feito e planejado, o retorno é valioso. Vale lembrar, que tal como em outras redes sociais, a interação com assinantes cadastrados e a pronta resposta são fundamentais também no Whats.

 

*João Paulo Borges – Jornalista, com 10 anos de experiência em assessoria de comunicação.