App desenvolvido na Udesc Esag conecta cidadão de Florianópolis à ouvidoria da prefeitura

13 de Agosto de 2019

Iniciativa é uma realização do Laboratório de Tecnologias de Gestão (LabGES), grupo de pesquisa do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag) da Udesc, em parceria com a Universidade de Bologna, Itália (Unibio)

O aplicativo "Participact Brasil", desenvolvido por pesquisadores da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) tem agora uma conexão direta com a Prefeitura de Florianópolis. Ao informar um problema urbano através do app, o usuário terá sua demanda enviada automaticamente para a Ouvidoria do município, que tratará de notificar o órgão competente, acompanhar a demanda e dar o retorno ao cidadão.

A plataforma inclui um sistema de crowdsensing – técnica de coleta de dados e informação, utilizada em smartphones. Ele recebeu aprovação do Living Lab Florianópolis para ser integrado à ouvidoria municipal.

O Living Lab faz parte da Rede de Inovação Florianópolis, uma parceria entre a PMF e a Associação Catarinense de Tecnologia (Acate). Sua proposta é abrir espaço para que iniciativas inovadoras sejam implementadas na Capital, buscando um desenvolvimento urbano eficiente e inteligente.

Durante o Startup Summit 2019 – encontro de tecnologia e empreendedorismo que faz parte do Floripa Conecta, um movimento que promove integração econômica e tecnológica através de diversos eventos –, o Participact receberá oficialmente a certificação de aprovação pelo Living Lab. A apresentação será realizada na sexta-feira, dia 16, às 14h40, na Arena Acate.

De acordo com o líder do LabGES, Carlos Roberto de Rolt, a plataforma é uma grande oportunidade para a formação de uma cidade inteligente, com registro dos cidadãos em uma ação voluntária e colaborativa. “O importante é aproximar de o cidadão da administração pública e vice-versa. O desafio agora é garantir que as entidades respondam às demandas e não decepcionem o cidadão, que espera feedback da sua contribuição”, esclarece Carlos. 

Em razão da demanda extra que o app representa, os órgãos municipais precisarão passar por treinamentos e adequações. Atualmente, aplicativo já está funcionando, porém sem a demanda que se espera depois da oficialização. Para o superintendente de Ciência, Tecnologia e Inovação de Florianópolis, Marcus Rocha, é essencial que a ouvidoria faça testes experimentais antes de conceder a validação absoluta ao app, para que se evitem falhas e problemas futuros.

Clique na galeria para conferir a interface:

 

inteface do APP