Os desafios e o legado da pandemia, por Delton Batista, presidente do LIDE Santa Catarina

20 de Novembro de 2020

É tempo de empresas conscientes, de marcas que fazem a diferença e de líderes que agregam valor

 

As transformações de comportamento que já estavam em andamento na sociedade foram aceleradas de forma radical a partir do alcance e impacto sem precedentes da pandemia do novo coronavírus.

As pessoas e organizações se viram jogadas diante de um cenário de ameaças e incertezas em relação às necessidades fundamentais: a sobrevivência colocada em perspectiva. Entre as consequências ainda não compreendidas plenamente em todas suas dimensões, emerge um novo olhar do consumidor sobre empresas e marcas, com uma consciência maior de que todos estamos conectados e de que o sucesso deve ser medido por algo maior do que apenas indicadores financeiros. 

O comportamento durante a pandemia, especialmente no seu momento mais agudo, expôs diferentes estilos de visão de mundo e de gestão por parte das empresas que também serão avaliadas pelo mercado. Vimos líderes que se posicionaram de forma egoísta e com uma visão de curto prazo e outros que assumiram postura aberta e acessível, envolveram e acolheram colaboradores, fornecedores e parceiros e, ainda, se mantiveram conectados com seu cliente e a sociedade. 

Neste momento em que começamos a discutir e tentar compreender as novas tendências, ganham visibilidade temas como a agenda ESG (Environmental Social and Governance, os fatores-chave para medir a sustentabilidade e o impacto ético de investimento em um negócio ou empresa) e o olhar de um “capitalismo de stakeholders”, conceito que identifica que o papel maior de uma organização não é apenas satisfazer anseios dos acionistas por lucro, mas de atender de forma equilibrada a todos os envolvidos na cadeia da prosperidade da companhia a longo prazo, ou seja, também os empregados, fornecedores, parceiros de negócios, clientes, meio ambiente e comunidade. 

Os novos líderes empresariais têm o desafio de construir uma nova economia, que agregue valor compartilhado e impulsione a geração de riqueza em um círculo virtuoso. Como gosto de dizer, se por um lado as pessoas não vivem sem comida, mas também não vivem só de comida, as empresas não vivem sem lucro, mas não podem viver (pelo menos não no novo mundo) apenas de resultados financeiros. As empresas e marcas de sucesso cada vez mais serão aquelas que possuírem essas diretrizes e praticarem o impacto positivo, além dos produtos e serviços que geram. 

A agenda do LIDE SC, o maior grupo associativista empresarial do país, está direcionada para contribuir em impulsionar os líderes e suas organizações no Brasil e no mundo, sendo a voz que traduz e amplifica o pensamento empresarial para a sociedade. Estão presentes no calendário de atividades já em andamento os pilares de Responsabilidade Social, Inovação e Governança como fatores críticos de sucesso das organizações na nova economia.

É tempo de empresas conscientes, de marcas que fazem a diferença e de líderes que agregam valor.

Notícias Relacionadas