Publicidade
Nem toda propaganda é positiva para as marcas
04 de Dezembro de 2023

Nem toda propaganda é positiva para as marcas

Na disputa pela atenção dos consumidores, muitas empresas pecam pelo excesso

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Chega a hora dos anúncios no meio de um vídeo no YouTube e o espectador espera ávido pelos cinco segundos que o separam do botão “Pular Anúncio” ou, assim que os comerciais surgem na TV, o equipamento rapidamente é colocado no mudo. Quem tem esse hábito não está sozinho.

Mais de oito em cada 10 consumidores preferem fugir da publicidade do que dedicar tempo e atenção a ela na TV e nos aplicativos de streaming.

Publicidade

É isso que aponta uma pesquisa divulgada pela Kantar, que mostra que a percepção negativa dos espectadores cresce à medida em que aumenta a quantidade de anúncios a que são expostos. O cenário, naturalmente, se tornou um desafio para as marcas.

“Ganhar atenção do público em um mercado cada vez mais saturado de conteúdo é uma missão e tanto. Mas esse cenário também pode se tornar uma oportunidade para retirar o excesso das campanhas de marketing. E a partir daí, focar aquilo que realmente cria uma conexão com os consumidores”, comenta Thaís Faccin, uma das sócias da Jahe Marketing.

Então, como chamar a atenção de maneira positiva? Para isso, as marcas devem trabalhar a mensagem correta, que chega ao público adequado, e na hora certa. “Digamos que você esteja assistindo a um vídeo sobre lugares para se passar as férias no Nordeste brasileiro. Em um dado momento, surge um anúncio sobre investimentos em criptomoedas. A probabilidade de que essa propaganda seja inconveniente é muito maior do que uma chamada sobre promoções em hotéis”, diz Satye Inatomi, também sócia da Jahe Marketing.

Liberdade de escolha
Outro recurso de anúncios não intrusivos está ligado à liberdade de escolha: a possibilidade de parar um vídeo antes do final, fechar a janela onde está o anúncio ou apontar que aquele tipo de conteúdo não lhe interessa.

É claro que chegar a esse nível de aproveitamento de uma peça publicitária não acontece de uma hora para outra. Mas existem algumas recomendações que ajudam as marcas a criar anúncios não intrusivos e mais atraentes para o público.

Veja cinco dicas da Jahe Marketing para evitar anúncios intrusivos
1 – Considerar os horários da audiência e os canais adequados. “O momento no qual a marca vai aparecer para os consumidores é relevante para a eficiência do anúncio. Para definir boas faixas de horário para uma audiência específica, é interessante tomar como base as horas nas quais os consumidores mais reagem a seus posts nas redes sociais. Plataformas como Instagram, Facebook e LinkedIn geram relatórios fáceis de compreender a partir do conteúdo publicado”, recomenda Faccin.

“Em relação aos canais adequados, existe uma verdade que consideramos absoluta: você não precisa estar em todos os canais digitais para fazer um bom trabalho no ambiente digital. No entanto, é crucial que atue bem naqueles nos quais seus clientes estão”.

De acordo com ela, o LinkedIn é uma alternativa excelente para um negócio B2B. Já se o objetivo é atrair um público geral e mais amplo, o Instagram pode render bons resultados. “Definir uma boa estratégia de redes é o primeiro passo para que seus anúncios não sejam intrusivos, e fazer com que eles estejam dialogando com as pessoas corretas. Outra alternativa são as newsletters utilizadas como e-mail marketing, desde que, é claro, os destinatários concordem em recebê-las – seguindo não apenas as boas práticas mas também a LGPD”, afirma.

2 – Não utilizar clickbaits. As “iscas de clique” estão em todo lugar na internet. São manchetes tendenciosas ou sensacionalistas, imagens que chamam a atenção sem conexão real com o conteúdo e promessas miraculosas. “Se a oferta não condiz com a isca, a marca gera frustração para o cliente e, como brinde, prejudica sua reputação. Ainda que seja menos intrusivo do que um vídeo que surge na hora errada, é uma péssima estratégia para marcas que buscam resultados sólidos ao longo do tempo”, diz Inatomi.

3 – Aposta em conteúdo patrocinado. Também chamado de branded content esse tipo de comunicação se integra ao formato no qual está inserida com parte do material editorial. Por exemplo, um caderno especial sobre o Rock in Rio dentro de um jornal diário, um podcast sobre o desenvolvimento de medicamentos patrocinado por uma indústria farmacêutica, e por aí vai.

“A inserção de links patrocinados nos resultados de busca no Google também é uma estratégia válida, já que o anunciante só aparece a partir da pesquisa que o usuário faz, e o público é avisado de que aquele resultado surgiu a partir de um investimento da marca”, afirma Inatomi.

4 – Marketing de influência deve ser opção. Influenciadores digitais, incluindo o universo dos microinfluenciadores (aqueles que têm até 100 mil seguidores), também são uma opção de parceria que pode gerar retorno comercial sem o incômodo dos anúncios intrusivos, de acordo com a Jahe Marketing.

“Cada vez mais, marcas de diversos tamanhos utilizam essas parcerias para que seus produtos alcancem um público maior, já que os itens são apresentados de maneira natural, para uma audiência que tem interesse em consumir o material que esses profissionais criam”, diz Faccin.

5 – Inteligência artificial em prol da marca. Anúncios baseados em comportamento aumentam a relevância da graças às ferramentas de automação de marketing aliadas à inteligência artificial.

“Hoje já é possível reunir informações sobre seu público e usá-las para criar campanhas direcionadas. Isso tem sido feito com cada vez mais eficiência. Ela permite, por exemplo, lembrar os clientes sobre carrinhos abandonados, ou distribuir conteúdo em newsletters para grupos mais relevantes”, explica Inatomi.

Foto:Unsplash

Publicidade
Publicidade