Momento Brasil estreia com palestra do vice-presidente da República, General. Hamilton Mourão

19 de Julho de 2019

Resgatar a gestão econômica, retirar o peso da ineficiência das costas de quem trabalha investe e produz.

 

Na última sexta-feira, 19 de julho, foi realizada pela ACAERT - Associação Catarinense das Emissoras de Rádio e Televisão, na sede da FIESC, em Florianópolis, a estreia do movimento "Momento Brasil" com palestra proferida pelo General Hamilton Mourão, Vice-Presidente da República Federativa do Brasil. 

Na abertura, Marcello Petrelli, presidente da ACAERT enfatizou o slogan do movimento: "Conhecer - Contribuir - Agir". Ao ler um resumo da biografia do General, Petrelli destacou:  "... o General Mourão carrega na mochila da sua história pessoal e profissional uma bagagem que crescia tanto do ponto de vista cultural como do ponto de vista profissional, até ocupar o cargo que hoje está sob seu comando no Governo Federal. Portanto, eu gostaria de colocar um ponto muito convergente da história do nosso vice-presidente Mourão com a Mídia Regional. Ou seja, o Rádio, a TV, os Jornais e suas plataformas digitais aqui representados pelas respectivas diretorias. São meios de comunicação que o senhor tão bem conhece, pois são os veículos de Mídia Regional que sabem o dia-a-dia da população. acompanham suas conquistas e conhecem seus anseios. Enquanto a mídia nacional está distante da população e perdendo audiência, nós estamos ao lado das pessoas dando vez e voz à essas necessidades e expectativas diariamente. Assim, a Mídia Regional cada dia mais está aumentando sua relevância ao conviver com suas comunidades nos restaurantes, nas praças, nos Bancos, no Comércio nos clubes e nas igrejas. Esse é o nosso grande diferencial. A Mídia Regional é um contraponto ao propor discussões positivas ajudando a sociedade, o setor produtivo e os poderes a construírem um País melhor." 

Petrelli encerrou seu discurso enaltecendo as qualidades do general e destacando suas intenções como vice-presidente e seu propósito comunitário. "O senhor está entre os mais altos cargos da República e temos a honra de recebê-lo neste encontro para poder falar do Momento Brasil e levar ao Governo Bolsonaro-Mourão nosso apoio para mudar o Brasil e o conhecimento dessas ideias para que possamos contribuir e agir em conjunto para este Brasil melhor. Na minha opinião, o novo governo já entregou duas medidas importantes para o Brasil... primeiro:  retirar aquele governo que lá estava e o processo que lá se instalou. E segundo, implantar um governo honesto e técnico."

............................................

Em sua apresentação o vice-presidente da República focou em temas como a Reforma da Previdência, Reforma Tributária, Relações Internacionais e papel da imprensa. "Resgatar a gestão econômica e nos adaptarmos à essa realidade global. Precisamos retirar o peso da ineficiência das costas de quem trabalha, investe e produz". O General Mourão disse que o País vai entrar nos trilhos nos próximos três anos. Dirigindo-se à uma plateia formada por líderes empresariais e políticos, o vice-presidente da República destacou que o Brasil precisa sair deste momento conturbado nas áreas da política e economia. Para isso, defendeu a retomada do crescimento com uma agenda de produtividade. Citou a aprovação do texto base da Reforma da Previdência como uma das medidas urgentes. Defendeu a privatização que pode rende R$ 500 bilhões, além de destacar a reforma tributária.

 

Alguns tópicos da palestra
- Os desafios que o nosso país enfrenta nesse mundo no século 21
- As grandes metas do governo do presidente Bolsonaro de extrema importância para o País
- O mundo vivencia rápida evolução tecnológica que nos cerca e nos desafia 
- Economia de conhecimento que ainda está restrita a pequenos nichos
- Capacidade de utilizar a tecnologia e a ciência no sentido de aumentar a produtividade 
- O Brasil precisa mudar gestão econômica e adaptar-se a essa nova realidade global 
"No dia 1 de janeiro, nosso presidente definiu nossa missão: Libertar a Pátria definitivamente da corrupção. da criminalidade, da irresponsabilidade econômica, fazendo do Brasil a mais vibrante e a mais próxima da Democracia Liberal do Hemisfério Sul. As grandes civilizações estão acima da linha do Equador. Abaixo dela ninguém mais se destaca. E ali está o nosso Brasil. Um país tropical com seu Destino Manifesto: sermos a grande civilização ao sul do Equador", enfatizou Mourão.

 

Desafios
O vice-presidente abordou também o empenho de todos os países em combater o terrorismo e o crime organizado; a possibilidade de um novo colapso no sistema financeiro mundial com a questão da suprimes; a importância do COAF; a ameaça de doenças que a gente achava que estavam erradicadas e que voltaram; o esgotamento das fontes de energia em regiões com a África que está acabando com a água; a espionagem gerando instabilidade dos regimes e as possibilidades dos sistemas de informação, como o hackea mento das possíveis mensagens trocadas entre o ministro Sérgio Moro e os procuradores da força-tarefa da lava-jato.

 

Democracia
A política só se constrói com diálogo. Não se pode desqualificar o argumento do outro. Nós temos é que buscar a convergência naquilo que a gente entende e ouvir o que o outro tem a falar. Ter clareza, determinação e paciência. Fora do capitalismo todos os lugares, todos os países onde foi implementado o sistema de planejamento centralizado e o controle total do Estado, sabemos aonde deu esse processo. É só observar a Venezuela.

 

A imprensa
A lei é para todos. Não pode haver a exacerbação do estado de direito que muitas vezes nós estamos vivendo com excesso de apelações, embargos e etc. Então que retardam decisões que são mais do que necessárias para o progresso do País. Estado de direito sim e sem ele não há democracia. Nenhuma nação é soberana sem a sociedade civil forte. E, aí, entra o papel da Imprensa, uma das instituições fundamentais da sociedade civil. A imprensa é para os governados não para os governantes. Temos que saber conviver com a crítica. Na profissão que eu exerci por 46 anos, não podia ser elogiado, mas também não podia ser vaiado. Estava no 0 a 0. Agora vale tudo! Então, a gente tem que saber entender isso aí e conviver nesse mundo.

 

Pilares do Governo Bolsonaro-Mourão
- Agenda de produtividade
- Reforma tributária
- Concessão à privatização
- Regulamentação
- Reforma da Previdência
- Enxugamento da máquina do Estado
- Segurança Pública

 

Nos trilhos
As políticas têm que ser de estado e não de governo. Política tem que ser perene no tempo e ser um projeto de Nação, independente do governo que assuma. Pode haver diferenças, um vai um pouquinho por aqui, o outro por ali, mas o rumo é um só: pra frente. São essas as políticas em andamento. Nos próximos 3 anos o Brasil será recolocado nos trilhos para que a gente entre numa era de desenvolvimento sustentável. O Brasil é muito maior do que isso aí.